terminal greveTerminal de santa Felicidade hoje cedo ficou sem ônibus – Foto: Roberto Romanowski/Banda B

Por Denise Mello e Roberto Romanowski

No final da manhã desta sábado (21), o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e região (Sindimoc) informou que a própria Auto Viação Mercês não liberou os ônibus para rodarem na madrugada, alegando que teria prejuízo financeiro, já que haveria a possibilidade dos trabalhadores rodarem com as catracas liberadas. Neste momento, os motoristas e cobradores da empresa já haviam decidido paralisar suas atividades.

Em um trecho, a nota do Sindimoc diz: “O diretor, Marcelo Bertoldi (Viação Mercês), alegando que a empresa teria prejuízo financeiro, decidiu já na madrugada não liberar os ônibus da garagem, com isso forçando os motoristas também a não assumir seus postos de trabalho”, diz.

Além da Auto Viação Mercês, também estão parados os trabalhadores da Auto Viação São Braz, que pararam em solidariedade aos colegas. A São Braz atende linhas que cobrem a região metropolitana. A empresa Auto Viação Mercês não pagou a segunda parcela do 13º salário no prazo final, que foi ontem (20). Várias linhas ficaram interrompidas em Curitiba e região neste sábado pela manha. O terminal de ônibus mais afetado é o de Santa Felicidade. De acordo com a Urbs, no fim da manhã as linhas paralisadas foram cobertas por outras empresas, mas a situação não está totalmente normalizada.

As empresas operam linhas do Interbairros II, Inter II, ligeirinho Bairro Alto, alimentadores da região de Santa Felicidade, além de trechos em Campo Magro e alguns ônibus da Linha Turismo.  As demais linhas funcionam normalmente em escala de sábado, com 50% de redução da frota, como ocorre sempre.

Uma assembleia no início da tarde em frente à sede da empresa Mercês deverá decidir os rumos da paralisação.

Segue a nota do Sindimoc, na íntegra:

“Na manhã deste sábado (21/12) Cobradores da empresa Auto Viação Mercês, motivados pelo não pagamento da segunda parcela do 13º salário e do adiantamento salarial (vale) e pelo que foi acordado no Ministério Público do Trabalho, decidiram não assumir seus postos de trabalho.

O Sindimoc esclarece que a medida foi tomada baseando-se em conformidade com o que ficou estabelecido em audiência realizada no Ministério Público do Trabalho, em que as empresas do transporte coletivo de Curitiba e Região metropolitana caso não realizassem o pagamento da segunda parcela do 13º salário no dia de ontem (20/12), o sindicato dos trabalhadores convocaria os Cobradores a paralisar suas atividades profissionais. Como o estabelecido não foi cumprido pela Auto Viação Mercês, os Cobradores não assumiram seus turnos de trabalho, com isso o diretor, Marcelo Bertoldi, alegando que a empresa teria prejuízo financeiro, decidiu já na madrugada não liberar os ônibus da garagem, com isso forçando os motoristas também a não assumir seus postos de trabalho.

O Sindimoc para melhor avaliar a situação estará ao meio dia deste sábado, defronte à empresa, reunindo-se em assembleia com os Motoristas e Cobradores da Mercês para deliberar medidas e ações futuras a serem tomadas eplo sindicato, sempre respeitando o anseio da classe e cumprindo o quê determina a lei.

O Sindimoc esclarece ainda que não medirá esforços para estabelecer a tranquilidade entre os Motoristas e Cobradores do transporte coletivo da capital e região e ver seus direitos trabalhistas respeitados”, encerra a nota.

Notícia Relacionada:

Prefeitura adverte empresas sobre quebra de contrato do transporte coletivo

 Motoristas e cobradores da empresa Mercês não recebem 13º salário e entram em greve