Divulgação
A reunião aconteceu em um auditório da Sema

Os servidores do Meio Ambiente do estado do Paraná aprovaram a paralisação das atividades a partir da próxima segunda-feira (8). A reunião aconteceu em um auditório da Secretaria do Meio Ambiente do Paraná (Sema) na noite de ontem. De acordo com os trabalhadores, houve apenas uma abstenção, mas nenhum voto contra. Os servidores alegam que só não cruzam os braços nesta quarta-feira (3) porque existem trâmites legais a serem cumpridos. Eles querem aumento no salário e nas gratificações. Serviços ambientais e atendimento ao público podem ser afetados.

Os funcionários que prometem paralisar as atividades fazem parte do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), doInstituto das Águas do Paranáe do Instituto de Terras, Cartografias e Geociências (ITCG). A paralisação é por tempo indeterminado até que a gratificação seja definitivamente implantada em folha de pagamento dos servidores.

Durante o encontro dos servidores, foi relatado que o governo, segundo eles, enviou à assembleia do Sindicato Estadual dos Servidores da Agricultura, Meio Ambiente, Fundepar e Afins (Sindiseab) o diretor geral da SEMA, Antônio Caetano de Paula Júnior, para pedir um “voto de confiança”. A promessa do governo seria o pagamento do reajuste entre 45 e 60 dias, sem mencionar os retroativos a dezembro. No entanto, os servidores rebateram e alegaram que desde agosto do ano passado esperam pelo reajuste.

Os servidores também reclamam da Lei 17.358, de 27 de novembro de 2012, que definiu valores conforme o nível de escolaridade: agente profissional – R$ 1.750,00; agente de execução – R$ 934,00 e agente de apoio – R$ 655,00. Estes novos valores não estariam sendo cumprido.

Serviços que param:

* Elaboração e execução de Políticas Públicas para o Meio Ambiente Estadual;

* Licenciamento ambiental;

* Fiscalização ambiental;

* Monitoramento ambiental;

* Produção e distribuição de mudas florestais nativas;

* Atendimento ao público;

* Atendimento ao Ministério Público;

* Atendimento as entidades públicas (prefeituras, COPEL, SANEPAR, delegacias, etc);

* Educação ambiental.

As atividades essenciais, como irrigação das mudas e atendimento a acidentes ambientais serão mantidas.