Por Luiz Henrique de Oliveira e Antônio Nascimento

caesdentro

(Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

Durante a apresentação de um foragido da justiça no Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) um fato chamou a atenção do repórter Antônio Nascimento, na tarde desta terça-feira (25). Uma cadela vira-lata e seus oito filhotes brincavam no gramado da especializada, como se fossem os donos do local.

Curioso como só ele, Nascimento descobriu que a cadela se escondeu na delegacia até quando deu cria, talvez para garantir sua segurança, saindo das ruas do bairro Boqueirão. O problema, ou solução, é que ela não deixou mais o local. Com isto, a adoção por parte dos policiais foi inevitável. O grupo de animais é alimentado e recebe carinho. A cadela foi apelidada pelo repórter como ‘delegada’.

Nascimento bem que tentou entrevistar a personagem, mas ela não está para papo. “Baixou” a policial na cadela que  fez uma abordagem ao repórter da Banda B, que preferiu deixar o local. Por este motivo, só um registro fotográfico foi feito, mas também, era correr ou ser mordido. A ‘delegada’ pretendia autuar em flagrante Nascimento por curiosidade com dolo eventual, já que o repórter teve a intenção de nascer curioso e fazer jornalismo.