Agência Brasil

senador-boliviano1Após 455 dias abrigado na Embaixada do Brasil na Bolívia, o senador de oposição Roger Pinto Molina, de 53 anos, disse hoje (25) à Agência Brasil que sonha em reencontrar a família, reconquistar a liberdade e reconstruir a vida. Sofrendo de cálculo renal e demonstrando sentimentos que intercalam tristeza e melancolia, Pinto Molina se disse “muito agradecido” à presidenta Dilma Rousseff e à sociedade brasileira. “Só tenho a agradecer à presidenta e ao povo brasileiro por compreenderem o que se passava comigo”.

Para chegar ao Brasil, o senador boliviano enfrentou 21 horas e meia de viagem de carro, saindo de La Paz, a capital boliviana, passando por Cochabamba, Santa Cruz de La Sierra, Puerto Soares até chegar à cidade brasileira de Corumbá (MT). Como está enfrentando um problema renal, ele pediu para o carro parar por duas vezes, porque teve náuseas e mal-estar. Mas, agora, já em Brasília, o senador se disse feliz e confiante. A seguir, os principais trechos da entrevista de Pinto Molina à Agência Brasil.

Agência Brasil – O que senhor planeja fazer agora que está no Brasil?
Roger Pinto Molina – Quero reencontrar minha mulher e minhas filhas [elas estão no Brasil desde o ano passado] e tomar decisões de forma conjunta. Não é fácil pensar em reconstruir a vida. Mas tenho fé em Deus e confiança, que tudo se acertará. Sou advogado por formação profissional.

ABr – O senhor se sente seguro agora?
Pinto Molina – Só tenho a agradecer a presidenta Dilma [Rousseff] ao povo e toda a sociedade brasileira por terem compreendido o que se passava comigo. Todos entenderam que havia ausência de justiça e que eu, um senador de oposição, era um perseguido.

ABr – Mas o senhor deixou bens, propriedades e uma vida na Bolívia.
Pinto Molina – Sim, é verdade. Mas a liberdade vale mais do que qualquer bem material. Por isso, estou aqui. Passei 455 dias sem ver a luz do sol e privado da liberdade. A vida sempre encontra alternativas e eu confio nisso.

ABr – O governo da Bolívia diz que o senhor é acusado de vários crimes, como desvio de recursos públicos. O que senhor responde a isso?
Pinto Molina – Todas as acusações são políticas. Não sou um criminoso, nem perseguido pela Justiça do meu país, mas, sim, um perseguido pelo governo [atual] da Bolívia. Essa é a realidade.

ABr – O senhor pensa em um dia voltar à Bolívia?
Pinto Molina – Oxalá isso ocorra mais cedo do que parece. Confio na possibilidade de retornar à Bolívia. Defendo a liberdade e a democracia, e acredito que um dia meu país poderá viver isso plenamente.

Reação

O Ministério Público da Bolívia avalia a possibilidade de cobrar explicações do governo do Brasil sobre a saída do senador Roger Pinto Molina do território boliviano. O fiscal-geral interino, o equivalente a procurador-geral em exercício da Bolívia, Roberto Ramírez, disse que a situação é analisada em detalhes pelos especialistas para verificar as providências que devem ser tomadas.

“Justamente, estamos trabalhando nisso para ver o que vamos fazer”, ressaltou Ramírez. “Aguardamos informação oficial e técnica.” Pinto Molina, de 53 anos, estava há 15 meses abrigado na Embaixada do Brasil em La Paz à espera de um salvo-conduto (autorização do governo boliviano) para deixar a representação e viver como asilado político no Brasil.

Em 28 de maio de 2012, Pinto Molina se declarou perseguido político e pediu refúgio na Embaixada do Brasil em La Paz, onde permaneceu até a última sexta-feira (24).

O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia anunciou que adotará “todas as ações legais” para que Pinto Molina responda na Justiça por “delitos comuns de corrupção pública, com graves danos à economia do país”. Em entrevista à Agência Brasil, o senador se disse um “perseguido político e não da Justiça” e negou as acusações.

“A fuga do país converte o Sr. Pinto em um foragido da Justiça boliviana. Por outro lado, serão acionadas medidas legais que correspondam ao caso, tanto no direito internacional, quanto nos convênios bilaterais, assim como sob o marco do direito interno da Bolívia”, diz a nota do ministério.

A ministra da Comunicação da Bolívia, Amanda Dávila, disse, porém, que o caso Pinto Molina não afeta as relações com o Brasil, baseadas na cordialidade e no respeito. “O presidente Evo Morales expressa sempre que seguirá trabalhando com afeto e respeito à presidenta Dilma Rousseff, assim como com o governo brasileiro”, lembrou.