Por Marina Sequinel e Luiz Henrique de Oliveira

manifestacao-colombo

(Foto: Ana Carolina/Colaboração Banda B)

Os moradores de Colombo, na região metropolitana de Curitiba (RMC), fecharam a Rua Dulcídio Falavinha, no Jardim Ana Terra, para protestar contra a falta de água na tarde desta sexta-feira (23). Eles queimaram pneus para bloquear a via.

Segundo os manifestantes, o abastecimento está prejudicado desde quarta (22) no local. “Dá uma chuva e acontece isso, nós ficamos de três a quatro dias sem água. É muito complicado, eu tenho uma mãe acamada, preciso cuidar dela e nem o básico nós temos”, reclamou a moradora Nara Lai em entrevista à Banda B.

De acordo com ela, a comunidade já entrou em contato com a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), mas o problema ainda não foi resolvido. “Eles sempre dizem que a partir das 23h a situação vai normalizar, mas isso nunca acontece. Já liguei três vezes lá”, completou ela.

São José dos Pinhais

Em São José dos Pinhais, também na RMC, os moradores reclamam do mesmo problema. Na Rua Ester dos Anjos Durval, no bairro Borda do Campo, eles estão sem água desde ontem.

“Volta e meia o abastecimento é interrompido, nós não sabemos por quê. Ontem ela veio bem fraca e depois parou. Nós precisamos de uma solução”, disse Valdevino Tibúrcio Machado à reportagem.

Respostas

A Sanepar informou que, no caso de Colombo, o abastecimento foi prejudicado por causa das fortes chuvas que atingiram a cidade nos últimos dois dias. O temporal fez com que muita areia e sujeira se deslocasse das margens do Rio Palmital para as estações de tratamento, entupindo equipamentos e obrigando a Companhia a interromper o fornecimento de água. Equipes trabalham na limpeza do local, mas ainda não há um prazo para que a situação se normalize. Se chover novamente, a solução do caso pode demorar mais do que o esperado.

Sobre São José dos Pinhais, a Sanepar declarou que tudo indica que há um vazamento oculto na rede. Equipes já estão na região para identificar o problema e resolvê-lo. A situação deve ser normalizada à meia-noite.