Banda B
Os nomes dos policiais civis envolvidos na operação não serão divulgados

Seis policiais civis de Curitiba foram presos na manhã desta quinta-feira (2) acusados de fazerem parte de um esquema de extorsão. Outros quatro funcionários de delegacias, os chamados bate-pau*, também estão detidos: Anderson Souza Machado, Carlos Alberto de Oliveira, Felipe Mengasso e Clodoado Duarte. Os nomes dos policiais civis envolvidos na operação não serão divulgados, adiantou a Corregedoria da Polícia Civil.

Todos estão sendo acusados de ter participação em um esquema de extorsão no tráfico de drogas e a facilitação de comércio de bebidas alcoólicas. De acordo com as investigações, os policiais cobravam de R$ 5 mil a R$ 10 mil para liberarem os acusados de tráfico de drogas e não os autuarem em flagrante. No comércio de bebidas, os policiais cobravam propina dos comerciantes que adquiriam produtos em pequena quantidade, sem notas fiscais.

Quatro dos seis policiais civis são lotados no 13º Distrito Policial, que fica no bairro Tatuquara, em Curitiba. Dois deles fazem parte da Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demaf).

O delegado-geral da Corregedoria, Paulo Ernesto Araújo, confirmou à Banda B que a investigações acontecem há pelo menos oito meses. “O trabalho foi iniciado depois de uma série de denúncias levada à Corregedoria. Para comprovar foram feitas filmagens, escutas e tudo mais. A Denarc também está participando das investigações para chegar mais a fundo na questão do envolvimento dos policiais com o tráfico de drogas”, disse o delegado-geral, em entrevista à Banda B.

Não há nenhum delegado preso nessa operação e não há relação entre este caso e a prisões de dois delegados (Gérson Machado e Luiz Carlos de Oliveira) e um investigador por parte do Gaeco do Ministério Público, no início do mês, durante a investigações de casos de corrupção na Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos de Curitiba (DFVR).

Nesse momento acontece uma coletiva de imprensa na Corregedoria da Polícia Civil, no bairro Rebouças, em Curitiba. Em breve, mais detalhes.

*Bate-pau: gíria usada para identificar funcionários de delegacias que trabalham nestes lociais, mas não são efetivamente policiais.