Por Elizangela Jubanski

Congestionamento em Curitiba atingiu 140 quilômetros, segundo empresa de mapeamento de trânsito. Foto: DM/Banda B

A primeira segunda-feira com greve no transporte coletivo de Curitiba e região causou novos congestionamentos na manhã de hoje (20). Diversos pontos da cidade registraram aumento de fluxo de veículo acima da média para o período. Pouco antes das 8 horas, 140 quilômetros de congestionamento foram detectado em Curitiba, por meio da empresa de mapeamento de trânsito Maplink. O aumento no número de carros nas ruas é diretamente proporcional à greve no transporte coletivo, que já atinge o sexto dia com cumprimento parcial da frota mínima, exigida pela Justiça.

Passageiros registram ônibus lotado na manhã de hoje. Foto: João Fuglini/Colaboração

De acordo com a Prefeitura de Curitiba, às 6h30 havia 31% das frotas rodando na cidade. A porcentagem subiu para 45% às 7h30, onde permaneceu até as 9 horas. Às 10h30, o número baixou para 41%. Números evidentes de desfalques com pontos de ônibus lotados em manhã chuvosa e ônibus que chegaram a transitar de portas abertas devido ao número de passageiros.

O estudante João Fuglini, de 20 anos, utiliza a linha Santa Cândida/Capão Raso todos os dias para trabalhar e relatou que o terminal de ônibus está um caos. “A população está sendo tratada como animal dentro dos ônibus, e ainda estamos pagando uma passagem de R$ 4,25 isso é um grande absurdo e extremamente revoltante”, disse à Banda B.

Do outro lado, trânsito caótico em uma Curitiba pouco preparada para números extras de veículos. Pouco antes das 8 horas, o Maplink registrou 140 quilômetros de congestionamento, onde a média para o mês de março é de 70 quilômetros para o horário.

Apenas na terça-feira, uma reunião está marcada para acontecer no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Enquanto os motoristas e cobradores pedem reajuste de 15%, o Sindicato das Empresas (Setransp) apresentou uma proposta de cerca de 5% aos trabalhadores.