O secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Alípio Leal, reforçou a disposição do governo estadual de investir R$ 1 real a cada real aplicado por instituições privadas ou públicas em projetos de inovação. A declaração aconteceu nesta terça-feira (0 7) durante reunião com representantes do Fórum Permanente de Desenvolvimento Futuro 10 Paraná, que reúne os principais líderes e entidades paranaenses.

Uma das sugestões apresentadas pelo fórum para regulamentar e ampliar os incentivos fiscais destinados a empresas que invistam em inovação é a aplicação de curso prático de empreendedorismo inovador nas universidades do Paraná, sejam estaduais, federais ou privadas.

Empresários e entidades reunidas no fórum defendem também a inclusão dos projetos inovadores no programa “Paraná Competitivo”, que prevê a concessão de benefícios fiscais a novos investimentos no Estado. Neste caso, a reivindicação é que o programa seja chamado “PR Competitivo e Inovativo”, prevendo que parte do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) devido pela empresa inovadora se transforme em crédito presumido do imposto a ser lançado em conta gráfica mensal do contribuinte beneficiado.

O secretário concordou aprovou a criação de um grupo para discutir estas e outras propostas que contribuam para aumentar a competitividade e a sustentabilidade da economia paranaense por meio do empreendedorismo inovador.

De acordo com o gerente do Centro Internacional de Inovação do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), Filipe Miguel Cassapo, foi fixada a data de 30 de junho para finalizar os entendimentos. Ele e o presidente do Comitê Executivo do fórum, Rogério Mainardes, representando o Grupo Positivo, defenderam a necessidade de estabelecer metas e prazos para garantir avanços no tema inovação. Cassapo afirmou que o fórum quer “mostrar que isso é possível e traz resultados”, referindo-se ao retorno de investimentos que porventura recebam incentivos fiscais.

Formado com entidades como Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Associação Comercial do Paraná (ACP), universidades, Serviço de Apoio às Micro Empresas Pequenas Empresas (Sebrae) e Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap), o Fórum Permanente Futuro 10 pretende que o Estado chegue a pelo menos 5 mil pedidos de patentes (por produto ou processo inovador) no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), até 2016 – em 2010 foram 596. Outra meta é obter 100 patentes, até a mesma data, junto ao United States Patent and Trademark Office (USPTO). Até hoje, o Brasil tem 200, enquanto a Coréia do Sul possui 10 mil.

Da reunião organizada pelo coordenador do Instituto ACP para Inovação, Eduardo Aichinger, também participaram Ricardo Dellameia, do Sebrae; Carlos Cziulik, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR); Gilson Martins, da Ocepar; Emerson Camargo, da Universidade Federal do Paraná (UFPR); Ludovico Szygalski Jr, da ACP; Sandro Vieira e Gustavo Fanaya, do Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP); e Rodrigo Martins, da Fiep.