O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, condenou hoje (2) o clima de tensão na Península Coreana instaurado em decorrência das ameaças da Coreia do Norte em promover um conflito nuclear e dos aliados da Coreia do Sul em reagir. Segundo ele, a crise na região “já foi longe demais”. Ki-moon se disse “profundamente perturbado”.

Para Ki-moon, é fundamental que os envolvidos se disponham a buscar o fim do impasse. “Como secretário-geral, é meu dever impedir a guerra e buscar a paz. É também minha responsabilidade afirmar que a crise atual já foi longe demais”. Para Ki-moon, “as ameaças nucleares não são um jogo nem uma retórica agressiva e resultado de postura militar apenas”.

Em fevereiro, a Coreia do Norte fez seu terceiro teste nuclear. A ação foi considerada uma ameaça pela Coreia do Norte e pelos Estados Unidos, gerando sanções no Conselho de Segurança da ONU à Coreia do Norte.

“Não há necessidade de a República Popular Democrática da Coreia [Coreia do Norte] estar em rota de colisão com a comunidade internacional. Estou convencido de que ninguém tem a intenção de atacar a Coreia do Norte por causa de divergências sobre o seu sistema político ou a política externa. No entanto, estou com medo de que haja respostas firmes a qualquer provocação militar direta [da Coreia do Norte]”, ressaltou Ki-moon.