A Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos será o primeiro órgão estadual do Brasil a contabilizar e compensar o carbono emitido pelas ações dos funcionários e pelo trabalho realizado. Até setembro, será concluído o inventário sobre as emissões e, a partir desse levantamento, serão proposta compensações.

“Com esta iniciativa, queremos dar o ponto de partida e incentivar outros órgãos do governo a aderirem Programa “Carbono Zero”, afirmou o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luiz Eduardo Cheida, que assinou a resolução para criar o grupo de trabalho responsável por esse processo. “Desta forma, não será apenas uma ação isolada e sim, um programa de governo e uma importante ferramenta de educação ambiental para a sociedade”.

A metodologia para contabilizar o carbono emitido levará em consideração o uso da frota, transporte dos funcionários, inclusive dos terceirizados, viagens a trabalho, consumo de energia, gás, combustível, lixo gerado pelos funcionários e papel gasto dentro da sede administrativa da Secretaria, tendo como base o ano passado.

Será adotada o mesmo método da GHG Protocol, ferramenta para entender, quantificar e gerenciar emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), desenvolvida nos Estados Unidos, em 1998. O GHG Protocol tornou-se um programa brasileiro para estimular a cultura corporativa para publicar inventários de emissões de gases do efeito estufa.

“É a metodologia mais usada mundialmente pelas empresas e governos para inventários de GEE. É também compatível com a norma ISO 14.064 e com as metodologias de quantificação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC)”, explica o coordenador de Mudanças Climáticas da Secretaria do Meio Ambiente, Carlos Alberto Garcez.

EDUCAÇÃO – A compensação dos gases emitidos não será feita apenas com o plantio de árvores. A coordenadoria de Mudanças Climáticas incluirá, por exemplo, a substituição das lâmpadas de mercúrio pelas de lâmpadas de LED, que economizam até 70% de energia.

Em paralelo às ações de compensações, o grupo de trabalho vai estabelecer metas para reduzir as emissões de forma planejada e criteriosa. Entre as propostas, está o trabalho de educação ambiental dentro da Secretaria do Meio Ambiente.

“Atitudes simples podem ser implementadas em empresas e entidades que queiram aderir ao Programa Carbono Zero”, comentou o coordenador de Mudanças Climáticas, Carlos Garcez. O grupo de trabalho inclui representantes da coordenadoria de Mudanças Climáticas e do Grupo de Administração Setorial (GAS) da Secretaria, além do Departamento de Estradas de Rodagem (DER).