A Santa Casa de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, passou por vistoria técnica nesta segunda-feira (4) para avaliar as condições estruturais para a desinterdição do hospital. O laudo da Vigilância Sanitária estadual deverá sair até sexta-feira (8). Caso seja liberado o funcionamento do hospital, o Conselho Regional de Medicina do Paraná vai decidir se mantém a interdição ética determinada em janeiro do ano passado.

Segundo o chefe da 2.ª Regional de Saúde, José Carlos de Abreu, esta é mais uma importante etapa para o processo de reabertura do hospital. “A Santa Casa tem potencial para atender grande parte da demanda de urgência e emergência da região. Hoje, os dois pronto-atendimentos do município operam no limite, o que consequentemente também sobrecarrega o sistema de Curitiba”, disse.

De acordo com o interventor da Santa Casa de Colombo, Joaquim Rauli, a intenção é reabrir o hospital em 90 dias, após a desinterdição. “Temos que contratar profissionais e sanar questões burocráticas que ainda impedem o funcionamento do hospital. A partir daí, reabriremos a Santa Casa progressivamente, iniciando pelo pronto-atendimento e pelas enfermarias”, explicou Rauli.

RECURSOS – Assim que o hospital voltar a funcionar, o Estado poderá repassar recursos de custeio pelo programa de apoio aos hospitais públicos e filantrópicos do Paraná – HospSus. O orçamento deste ano também já prevê investimento de R$ 1,6 milhão para obras de reforma e ampliação da unidade, sobretudo na ala de centro cirúrgico.

Na sexta-feira (4), o governador Beto Richa entregou à Santa Casa uma nova ambulância para remoção de pacientes. O veículo, no valor de R$ 95 mil, equipado para suporte básico, é um dos requisitos para que o hospital volte a atender.