Vinte e cinco projetos da Sanepar para implantação e ampliação de redes de água e esgoto foram selecionados para obter financiamento do programa PAC 2, do governo federal. Os investimentos somam R$ 658,6 milhões e a Sanepar terá 20 anos para pagar, com contrapartida de 10% nas obras de água e de 5% nas de esgoto.

As obras terão impacto em São José dos Pinhais, Cascavel, Curitiba, Foz do Iguaçu, Lapa, Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Campo do Tenente, Almirante Tamandaré, Araucária, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Fazenda Rio Grande, Pinhais e Quatro Barras.

“Estamos fazendo os maiores investimentos dos 50 anos da Sanepar para manter o Paraná na frente na cobertura de redes de água e esgoto e rumo à universalização do saneamento no Estado”, afirma o presidente da companhia, Fernando Ghignone.

Distribuição de água – Em São José dos Pinhais será executada a obra de maior relevância para os moradores da região metropolitana de Curitiba. Trata-se da construção da Barragem do Miringuava, com 309 metros de comprimento e cerca de 26 metros de altura.

A nova barragem permitirá utilizar plenamente a Estação de Tratamento de Água Miringuava. Serão beneficiados 2,9 milhões de habitantes da Grande Curitiba. A rede de abastecimento de água de São Jose dos Pinhais será ampliada em 33 mil metros e serão remanejadas e adequadas mais de mil ligações domiciliares.

Em Cascavel será construída a barragem e captação no rio São José, ampliada a capacidade de tratamento de água da estação (dos atuais 250 para 750 litros por segundo), implantadas lagoas de lodo para tratamento dos efluentes da estação de tratamento de água, implantadas e ampliadas estações elevatórias de água e de lodo. As obras visam garantir 100% do abastecimento para população da área urbana até 2030.

Em Foz do Iguaçu, o sistema de abastecimento será ampliado com a implantação da adutora, com 3,8 mil metros e diâmetro de até 600 mm. Serão construídos quatro reservatórios com capacidade para armazenar até 3000 metros cúbicos, implantadas três elevatórias de água tratada e 17,7 mil metros de rede de distribuição de água.

O assentamento de mais de 16 mil metros de rede de distribuição e de adutora de água bruta vai permitir ampliar o sistema de abastecimento da Lapa. Também serão instaladas seis elevatórias de água bruta e de água tratada, construída a casa de química e um reservatório.

Londrina terá a capacidade de reservação ampliada em 17.700 metros cúbicos, com a construção de três reservatórios: Reservatório Sul, com capacidade para 10 mil metros cúbicos, Ouro Branco (5 mil) e o Reservatório Semiramis (2.700). Também serão implantados 2,3 mil metros de anéis com diâmetros variando entre 100 e 150 mm.

Em Maringá, as obras compreendem a construção de reservatório semienterrado no Maringá Velho, com capacidade para 2.000 m³, implantação da unidade de tratamento do lodo gerado na Estação de Tratamento de Água e ampliação da Captação Pirapó, além de outras intervenções civis e eletromecânicas.

O sistema de abastecimento de água de Ponta Grossa receberá melhorias significativas, com a implantação de 6 mil metros de adutora e a construção de reservatório para 5 mil m³ para atender Uvaranas e região. Serão implantados, ainda, 4 mil metros de adutora e reservatório também para 5 mil m³ para abastecer o bairro Maria Otília; mais 2,8 mil metros de adutora e reforço de anéis de distribuição para atender a região central, Alphaville/Pitangui.

Estão previstos, também, 7,8 mil metros de adutora e o reservatório para 5 mil m³, que passará a atender a região do bairro Los Angeles. O projeto contempla, ainda, a substituição de 40 mil metros de redes de distribuição de água existentes em ferro fundido por PVC, na região central da cidade.

Coleta e tratamento de esgoto – Em Almirante Tamandaré, a rede coletora de esgoto doméstico será ampliada em 61 mil metros. Mais 3.040 famílias serão integradas ao sistema, por meio das ligações domiciliares.

Araucária será contemplada com 130 mil metros de rede coletora, 6.285 ligações prediais, 8.500 metros de coletores, uma estação elevatória de esgoto, linha de recalque, além de projetos complementares, instalações elétricas e travessias.

O sistema de esgoto de Campina Grande do Sul será ampliado em 10 mil metros de rede e as novas ligações prediais devem chegar a 350 imóveis.

Para Campo do Tenente, a novidade é a implantação do sistema de esgoto. Está prevista a construção da estação de tratamento, estação elevatória, emissário, travessias, projetos complementares e a extensão de 5.600 m de interceptores, 27 mil metros de rede coletora de esgoto e 1.337 ligações prediais.

A expansão da rede de Campo Largo vai exigir cerca de 95 mil metros tubulação de vários diâmetros. A obra vai beneficiar diretamente 4.800 famílias, que passarão a ter o esgoto coletado e tratado.

Em Campo Magro, a ampliação do sistema se dará pela execução de 24.332 metros de coletora e 600 ligações prediais.

Para Curitiba foram aprovados três projetos. Serão executadas, entre outras, obras de revitalização das redes já existentes nas bacias Barigui, Belém, Atuba, Passaúna, e sub-bacia Vila Izabel, num total de 47.300 metros.

Serão implantados outros 142,2 mil metros de rede coletora nestas bacias e na Bacia Barigui Norte, em especial nos bairros Abranches e Taboão, além de 11 mil metros de coletores.

Também com recursos financiados pelo PAC2 será ampliada a Estação de Tratamento de Esgoto Belém. Está previsto duplicar o sistema existente e promover melhorias no processo de tratamento.

A rede coletora de Fazenda Rio Grande será ampliada em 160,5 mil metros. Mais 8.232 imóveis serão interligados ao sistema de coleta e de tratamento.

As estações Beira Rio, Jupira e Iate Clube, de Foz do Iguaçu, serão ampliadas, aumentando significativamente a capacidade de tratamento do esgoto. Será construída a estação elevatória Carimã, implantados 24,8 mil metros de coletora e 6,5 mil metros de interceptor, com diâmetro de até a 800 mm. As ligações prediais previstas são para 1.047 imóveis.

Em Londrina os recursos aprovados serão destinados à ampliação das estações de tratamento de esgoto Norte e Sul. O projeto prevê implantar o processo de tratamento com lodo ativado, para aumentar a eficiência do processo, e duplicar a capacidade de tratamento para 1.100 litros/segundo em cada uma.

Maringá, a cidade paranaense com o maior índice de cobertura com o serviço de coleta e tratamento do esgoto, continuará recebendo investimentos. Na Bacia 7 serão implantados a Estação Elevatória Guaiapó, 2,5 mil metros de coletor tronco, 60 mil metros de redes coletoras de esgoto e 3.000 ligações prediais. Já na Bacia 6 serão 1,5 mil metros de coletor tronco, 25 mil metros de redes coletoras de esgoto e 1.250 ligações prediais.

Em Pinhais, nas bacias dos rios Palmital e Atuba, entre a Estrada da Graciosa e o Rio Iraí, a rede coletora será ampliada em 80 mil metros. O índice de atendimento será ampliado em 16,5% no município, com a integração ao sistema de mais 3.998 imóveis.

Ponta Grossa teve dois projetos selecionados e será contemplada com vários lotes de obras. Na Bacia do Taquari, será construída uma estação de tratamento, e obras complementares como desarenador, RALF, filtro anaeróbio e leitos de secagem. Também serão implantados a estação elevatória, linha de recalque, travessias aéreas, 2,7 mil metros de coletor, 11,5 mil metros de rede coletora e 520 ligações, beneficiando diretamente cerca de 2 mil pessoas. No segundo projeto aprovado, também na Bacia do Taquari, com contribuição para a estação Congonhas, já existente, serão executados 18 mil metros de rede coletora, 2,8 mil metros de coletores, 2,6 mil metros de linha de recalque e 800 ligações domiciliares. Também serão construídas 3 estações elevatórias e ampliada a estação Congonhas. As estações de tratamento Gertrudes e Olarias serão ampliadas. Na Vila Contin será construída uma estação elevatória. A rede coletora será ampliada em 10 mil metros.

Em Quatro Barras, o sistema de esgoto será ampliado em 10 mil metros de rede coletora e 300 ligações prediais.