Por Luiz Henrique de Oliveira e Marco Piza

Era para ser um mês de janeiro tranquilo para os moradores de Curitiba e região metropolitana. As contas estavam programadas e os gastos contadinhos, até porque ninguém é de ferro e não deu para deixar de fazer aquela viagem para o Litoral do Paraná com o 13° salário. A surpresa nada agradável, no entanto, aconteceu nesta quarta-feira (15), quando duas contas de água chegaram para vários moradores. Elas se somam à conta de luz, matrícula, materiais escolares, IPTU e IPVA.

E por falar em água, foi uma chuva de recados de ouvintes durante o programa Luiz Carlos Martins, na Rádio Banda B, na manhã desta quarta. Eles reclamam da atitude, que teria sido sem nenhum aviso, por parte da Sanepar, empresa ligada ao Governo do Estado. “Me mandaram duas contas para o mês de janeiro. As duas com mais de R$50 em vencimento, uma para o dia 4 no valor de R$ 56,82 e outra para o dia 24 no valor de R$66,99. Moro de aluguel e não sei o que fazer. Eu não gasto tudo isso e agora recebo duas contas com esse valor astronômico”, disse a ouvinte Kátia, moradora no bairro Cidade Jardim, em São José dos Pinhais.

Mesma situação é vivida por Maria Aparecida Fonseca, moradora no bairro Boqueirão. “Eu não pedi para mudarem a data e eles vieram com estas duas contas. Sou aposentada e fica complicada a situação”, afirmou. Já para João, morador em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, alguma coisa precisa ser feita. “Como é que fica. Em fevereiro o vencimento também será dia 24? Mas e daí? Esse mês vou ter que pagar dois meses e sem ser avisado?”, questionou.

Justificativa

O gerente de faturamento da Sanepar, Denilson Belão, explicou em entrevista à Banda B que as duas contas fazem parte de um recadastramento por parte da empresa. “Aconteceu um crescimento desordenado da cidade e as leituras ficaram muitas para o mesmo dia, portanto foi preciso fazer uma mudança porque estavam faltando agentes para determinados dias”, afirmou.

Ainda segundo o gerente, no ano passado a reestruturação atingiu 150 mil matrículas e em 2014 serão 700 mil. “Será um ciclo de seis meses e, em uma porcetagem destas matrículas, vai acontecer essa situação. O que tem que ficar claro é que a conta até dia 4 é referente ao mês de dezembro e a do dia 24 a uma leitura menor”, garantiu.

Por fim, Denilson Belão descreveu que os usuários foram avisados por meio de correspondência sobre as mudanças. “Quem tiver com dificuldade de pagar pode tentar uma renegociação no 115 da Sanepar”, concluiu.