AEN
Governador Beto Richa em entrevista coletiva

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), pode mudar de ideia e não interromper o repasse dos R$ 64 milhões que hoje subsidiam a Rede Integrada de transporte (RIT) em Curitiba e Região Metropolitana. A sinalização veio nesta quarta-feira (1º) durante a festa do Dia do trabalhador no Centro Cìvico.“Nós estamos vendo a possibilidade de dar uma contribuição um pouco maior ainda para garantir o sistema integrado com vários municípios da região metropolitana”, disse Richa. O governador havia anunciado que este benefício para a capital e mais 13 municípios da região iria acabar no próximo dia 7.

Na terça-feira (30), a Urbs já havia notificado a Coordenação da Região Metropolitana (Comec), ligada ao governo, que o fim do subsídio, o órgão estadual teria que bancar o pagamento às empresas de ônibus que operam na região metropolitana. A notificação alertou também para a questão legal já que, se não houver a renovação do convênio para a Rede Integrada, não há como, legalmente, a Urbs continuar gerenciando todo o sistema.

Caso o subsídio acabe, o usuário do transporte coletivo integrado pode pagar mais caro pela passagem.

No evento no Centro Cívico, o governador, porém, não disse quando o impasse deve acabar.“É uma avaliação muito complexa. Basta dizer que até hoje não se concluíram os estudos da Comissão de Estudo Tarifário. Então, a gente precisa ter os pés no chão. Saber exatamente quais são os números, a planilha de custos, que compõem o preço das passagem, porque a ideia é beneficiar os usuários e não os empresários de ônibus”.