O governador Beto Richa entregou nesta sexta-feira (19/04), em Cascavel, no Oeste do Estado, as obras dos colégios estaduais Presidente Costa e Silva e Professora Olinda Trufa, que atendem 1,9 mil estudantes. A duas unidades foram reformadas, ampliadas e modernizadas e abrigam com mais conforto e segurança seus alunos e professores.

Richa destacou que somente nesta semana autorizou obras em escolas estaduais de diversas regiões que somam R$ 10 milhões. “Escolas com boa estrutura motivam alunos e professores e se tornam ambientes mais propícios ao aprendizado, ao crescimento pessoal das crianças e jovens. Esses investimentos valorizam a comunidade”, disse Beto Richa, que nesta semana cumpre agenda em nove municípios da região Oeste.

Ele ressaltou ainda que entre as novas obras estão as reformas de dois colégios de Cascavel e um em Matelândia. Richa também lembrou que, para marcar o Dia do Índio, foi inaugurada em São Miguel do Iguaçu, no Sudoeste do Estado, a escola Teko Nemoingo, que atende crianças e jovens da aldeia Guarani Tekoa Ocoy.

18 ANOS – A reforma do Colégio Estadual Presidente Costa e Silva, que atende a 771 alunos nos três períodos, durou 12 meses e custou R$ 1,6 milhão. A comunidade aguardava a obra há 18 anos. A situação da escola ficou tão ruim que ela chegou a ser interditada por dez dias no começo de 2011.

Sirlene Salete Danm, diretora da escola, conta que sempre cogitavam em demolir o prédio. “Não tinha janelas decentes, a iluminação era ruim, havia muita infiltração, problemas no teto, no chão, os quadros negros eram de 40 anos. Ninguém mais acreditava que receberíamos esta obra. Era mais fácil demolir”.

Agora, a comunidade escolar conta um espaço totalmente revitalizado, com nova cobertura, paredes, pisos, pintura e novas redes elétrica e hidráulica. A quadra externa do colégio, que antes estava interditada, foi totalmente reformada, assim como o espaço para alimentação dos alunos, que foi ampliado.

O Colégio Estadual Olinda Truffa de Carvalho é outro exemplo do impacto que a obra tem sobre a comunidade escolar. A escola atende 1.150 alunos e recebeu quase R$ 2 milhões para reforma geral, com troca de cobertura, portas, janelas, pisos, passarelas, parte elétrica e hidráulica.

“Aguardávamos há mais de dez anos a reforma do prédio e agora estamos todos motivados. Percebemos nos alunos a sensibilidade de cuidar da nova escola e manter as salas em ordem, assim como seus pais, que se sentem estimulados a participar das reuniões”, destacou Ivonete Maria Venson, diretora do colégio.

INDÍGENA – A escola indígena Teko Nemoingo, de São Miguel do Iguaçu, foi inaugurada nesta sexta-feira pelo vice-governador e começou a funcionar no início do ano letivo e atende a 360 estudantes da aldeia Guarani Tekoa Ocoy, com ensino médio, fundamental, cursos de línguas e contraturno.

“É uma escola completa que serve também como centro cultural para a aldeia”, diz o vice-governador e secretário estadual da Educação e vice-governador, Flávio Arns. Na nova escola indígena foi investido mais R$ 1 milhão.

Nesta gestão, o Governo do Paraná já entregou 11 novas escolas indígenas, que abrigam quase 4 mil alunos de comunidades Guarani e Caingangue do Paraná. Mais duas serão entregues até o fim do ano. As 13 unidades somam investimentos de R$ 19 mihões. O estado conta agora com 36 escolas exclusivas para comunidades indígenas, em 26 municípios.

INVESTIMENTOS – Nesta semana, o governo do Estado autorizou o início de grandes reformas em mais cinco escolas. Três delas são da região Oeste e somam investimentos de R$ 2,5 milhões. Em Cascavel, começam os trabalhos nos colégios estaduais Olívia Fracaro e Jardim Santa Felicidade.

Em Matelândia, o governo dará início aos trabalhos no Colégio Estadual Euclides da Cunha. Com ordens de serviços, as empresas vencedoras das licitações começam a preparar os canteiros de obras.

Além destas, foram assinadas ordens de serviços para obras em escolas de outras regiões. Na quinta-feira (17), foi autorizado o início dos trabalhos no Colégio Estadual Pilar Maturana, no Bairro Alto, em Curitiba. O governo investirá quase R$ 1 milhão para recuperar as instalações do colégio que foi inaugurado em 2006, com graves problemas estruturais.

No município de Rebouças, Centro Sul do Paraná, começam as obras de reforma no Colégio Estadual Professor Júlio Cezar, onde a Secretaria investirá R$ 1 milhão em melhorias.

Obras que começam

Colégio Estadual Pilar Maturana, Curitiba: R$ 1 milhão

Colégio Estadual Professor Júlio Cezar, Rebouças: R$ 1 milhão

Colégio Estadual Olivo Fracaro, Cascavel: R$ 700 mil

Colégio Estadual Euclides da Cunha, Matelândia: R$ 700 mil

Colégio Estadual Jardim Santa Felicidade, Cascavel: R$ 1,1 milhão