O Governo do Paraná ampliou a atuação do programa Paraná Competitivo. Decreto assinado pelo governador Beto Richa cria novas linhas de ação, inclui secretarias e outros órgãos do Governo do Estado e define os membros do conselho consultivo. O texto também define a coordenação do programa para a Secretaria da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul.

O Paraná Competitivo foi criado em 2011 para incentivar o setor produtivo, atrair novas indústrias e modernizar o parque industrial paranaense. As empresas recebem benefícios do Estado em troca da geração de emprego e renda. Nos últimos dois anos, foram contabilizados R$ 20 bilhões em novos investimentos que estão gerando cerca de 120 mil empregos em todas as regiões do Paraná.

“Vivemos o maior ciclo de industrialização da história do Paraná, fruto de uma legislação moderna, respeito aos contratos e segurança jurídica. Alcançamos ótimos resultados, mas avançaremos com a ampliação do Paraná Competitivo”, afirma o governador Beto Richa.

DINAMIZAR – O secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, diz que as alterações irão dinamizar e aumentar a atuação do programa e, ainda, ampliar os benefícios para outras atividades econômicas. Segundo ele, as modificações atendem situações encontradas nas negociações com as empresas e demandas apresentadas ao Governo.

“A nova formatação aumenta os setores de atuação do Paraná Competitivo. Temos ferramentas para fortalecer e diversificar as atividades econômicas do Estado e aumentar a qualidade de vida da população paranaense”, afirma Barros.

Grandes empreendimentos como o da Klabin, que vai investir de R$ 7 bilhões em Ortigueira, das cimenteiras no Vale do Ribeira e da Techint no Litoral são alguns dos exemplos que terão grande impacto social nas regiões instaladas. “Vamos integrar secretarias e órgãos para atuar juntos pelo desenvolvimento econômico e social dos municípios”, afirma o secretário Ricardo Barros.

LINHAS – O Paraná Competitivo passa de cinco para dez linhas de atuação: fomento e atração de investimentos, acesso a créditos, incentivos fiscais, internacionalização, qualificação profissional, inovação tecnológica, infraestrutura, meio ambiente, desburocratização e desenvolvimento social.

Entre os novos órgãos e secretarias integrados ao programa estão as secretarias da Família e Desenvolvimento Social, Meio Ambiente, Ciência Tecnologia e Ensino Superior, Assuntos Estratégicos, Trabalho, Emprego e Economia Solidária e a Agência de Desenvolvimento do Paraná, BRDE e a Fomento Paraná. Já faziam parte do Paraná Competitivo a Casa Civil e as secretarias do Planejamento, Fazenda e Indústria e Comércio.

O secretário chefe da Casa Civil Reinhold Stephanes deve convocar para os próximos dias uma reunião no Gabinete de Gestão e Informação (GGI) com todos os órgãos membros do Paraná Competitivo para detalhar a nova formatação do programa.

CONSELHO – O texto também traz a nova formatação do Conselho Consultivo formado pelo Sebrae, Fiep, Faep, Fecomércio, Fetranspar, Fecoopar, Faciap, ACP e Fepampar.

O conselho, quando convocado, tem a função de subsidiar o Governo do Estado com informações específicas sobre certo setor antes da tomada de decisão sobre o enquadramento de empresas no programa.