Por Luiz Henrique de Oliveira

Em 1982, com 17 anos o repórter Antônio Nascimento, hoje na Rádio Banda B, iniciava no ‘trecho’. Em uma noite de domingo em maio, o céu escureceu ainda mais e o bairro Santa Felicidade, em Curitiba, foi devastado. Um grupo de pessoas que dançava na Sociedade Iguaçu viu o telhado ser arrancado e as paredes ruírem. O posto Pianaro, localizado na rotatória da Rua Saturnino Miranda, foi destruído e mudou de nome: passou a ser chamado de Posto Ventania.

GEADA-4

(Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

“Um grupo de pessoas dançava em um dia que choveu até mais do que ontem. Foi um temporal danado que durou mais de 30 minutos. Não chegou a cair granizo, mas o vento foi algo que eu jamais tinha visto. Além do que aconteceu no posto de combustíveis, empresas foram destelhadas e funcionários chegaram a encontrar os macacões enterrados a mais de 300 metros do local de trabalho”, contou.

Segundo Nascimento, depois do temporal as ruas de Santa Felicidade foram tomadas por árvores. “Que eu me lembre foram mais ou menos três dias para que tudo fosse limpo, porque no tempo os órgãos não tinham a estrutura de hoje. Certamente se a comunicação estivesse como hoje, com a internet e afins, teríamos imagens que chamariam a atenção. O registro agora fica para quem cobriu e também para o acervo dos jornais impressos”, concluiu Nascimento.

Hoje com  48 anos o repórter da Banda B não presenciou a tempestade de ontem, porque estava na região Sul da cidade cobrindo uma pauta. Porém, o pós-tormenta foi registrado de maneira impecável por ele.