Da Redação com Sindarspen
O Sindarspen (Sindicato dos Agentes Penitenciários) esteve nesta sexta-feira (9) na Penitenciária Estadual de Londrina II (PELII)conversando com agentes penitenciários e com a administração da unidade, após a rebelião desta semana. De acordo com o Sindarspen, na visita foi possível constatar a grande destruição que os presos rebelados causaram, comprometendo drasticamente a estrutura da unidade.

De acordo com o Sindarspen, vários locais foram queimados, entre eles enfermaria e escola. Muitos cubículos foram destruídos e o acesso a outros também. O Sindarspen diz que não há condição daquela unidade voltar a operar normalmente, tampouco onde alojar os mais de 1000 presos que se encontram amontoados em pátios internos que eram utilizados como oficinas.

O Sindarspen divulgou fotos que mostram o sinal de destruição após a rebelião:

Governo transfere presos

Na sexta-feira (9) 50 presos foram transferidos, levados para a Penitenciária Estadual de Londrina 1 (PEL 1) e a Casa de Custódia de Londrina. Neste sábado, outros 30 presos, líderes da rebelião que aconteceu entre terça e quarta-feira, foram transferidos para Curitiba. Por conta da falta de segurança, os presos são mantidos em alas pouco danificadas, gerando uma superlotação.