O Paraná pode ter um reajuste no piso regional de 10% durante o ano de 2013. O valor exato do reajuste, que acontece tradicionalmente em maio, será informado na segunda quinzena de abril. De acordo com o secretário estadual do Trabalho, Emprego e Economia Solidária, Luiz Cláudio Romanelli, o cálculo do aumento do piso é uma regra bem definida por lei. “Estamos somente dependendo de uma nota técnica do Ipardes (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social) que vai nos dar o índice exato que deve ser aplicado em cada uma das faixas”, explica o secretário, em entrevista à Banda B na manhã desta terça-feira (2).

O cálculo do reajuste já conta com 5,1% de ganho real do trabalhador. Ainda, será somado, em porcentagens, o acumulado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) durante os últimos 12 meses. Esta previsão é que deve estar em torno de 10%. “É bem possível que até passe um pouco, mas tudo vai depender do INPC”, aponta Romanelli. Este reajuste, porém, terá de ser aceito pelo governador Beto Richa, que vai participar de eventos em comemoração ao Dia Mundial do Trabalho, no dia 1º de maio.

Em um momento de instabilidade na economia, comércio e indústrias podem demonstrar insatisfação com o reajuste. Sobre isso, o secretário rebate dizendo que o poder de compra do trabalhador é o melhor aliado dos empresários. “Creio que pagar salários é a melhor forma de garantir uma vida digna aos trabalhadores e por outro lado, o comércio é o que deve ter o maior interesse. Porque as pessoas com salário têm capacidade de compra. Quem ganha o piso regional aqui no Paraná não vai gastar em São Paulo ou em Nova York, ele vai comprar em Curitiba, em São José dos Pinhais, em Piraquara. A pessoa vai gastar o salário onde ela vive. Ou seja, o comércio e a indústria ganham muito com isso”.

De acordo com ele, em 2012 houve discussão com os empresários no Conselho Nacional do Trabalho, que tem uma política bienal. “ela já foi discutida. “Então, neste ano, cabe somente ao Ipardes definir esta nota técnica para uma proposta do reajuste”, finalizou o secretário do Trabalho.

Salários

Hoje, o piso regional varia entre R$ 783,20 a R$ 904,20. Caso o reajuste se confirme neste índice de 10%, as quatro faixas que se dividem no piso regional passam a ser de R$ 861 a R$ 994. Entre as profissões que se enquadram no acordo coletivo então: seguranças privados, office boys, comerciários, entre outros.