O programa EcoCidadão, da Prefeitura de Curitiba, foi alvo de críticas ao Jornal da Banda B Segunda Edição da tarde desta quarta-feira (17). O projeto, que tem como objetivo facilitar a coleta de materiais recicláveis da cidade, tinha como objetivo distribuir 504 carrinhos elétricos aos catadores de lixo até o final do ano passado, mas quatro meses depois não é isso que pode ser observado pela cidade.

De acordo com o catador Éderson Félix, morador do Boqueirão e que trabalha na unidade Água Nascente do projeto, os carrinhos ficaram encostados por muito tempo por falta de eletricidade no barracão e o empecilho agora são ratos comendo a fiação do motor. “Eles prometeram a coisa mais linda do mundo, que ampliaria em 100% nossa renda, mas não é isso que vemos, já que ainda somos constantes vítimas de ladrões”, disse.

A coordenadora do projeto EcoCidadão, Leila Maria Zem, explicou à Banda B que hoje Curitiba possuí 14 associações com os carros elétricos e que apenas quatro dos dez carrinhos dos catadores sofrem com o problema dos ratos. “Nós já firmamos uma parceria para agilizar essas questões de manutenção e em breve todos eles devem estar funcionando. Mas orientamos os catadores a organizem o barracão da melhor maneira possível, já que o não vai atrás da fiação e sim dos resíduos alimentares”, disse.

O programa Ecocidadão, que funciona desde 2007, tem como objetivo principal a inclusão socioambiental da categoria, é um dos mais importantes programas municipais