Por Marina Sequinel e Luiz Henrique de Oliveira

“A sensação que eu tenho é de impotência”, declarou Christiane Yared à Banda B nesta quarta-feira (7), exatamente cinco anos após o acidente de trânsito que matou o filho no bairro Mossunguê, em Curitiba. O ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho, acusado de provocar a tragédia que resultou na morte dos jovens Gilmar Yared e de Carlos Murilo de Almeida, ainda não foi julgado.

christiane-yared-070514-bandab

Christiane Yared espera julgamento de Carli Filho há cinco anos. (Foto: Divulgação)

No último dia 20 de fevereiro, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) decidiu pelo júri popular de Carli Filho. Por meio da medida, ele deve responder por homicídio de dolo eventual (quando se assume o risco de matar) e não por homicídio culposo (quando não há intenção) pela Vara Comum de Trânsito. A data do julgamento não foi decidida. “Nós sabemos que quem tem mais poder e recursos demora muito mais para responder pelo crime que cometeu, isso se responder… Mas, apesar de tudo, nós ainda temos esperança, uma luz no fim do túnel”, disse Christiane.

De acordo com ela, todas as ações e projetos realizados em prol da diminuição de acidentes de trânsito na cidade a confortam quando pensa na morte do filho. “Eu quero acreditar que a morte dele não foi em vão e que nós estamos salvando vidas com essas iniciativas”, completou. Christiane espera que, quando chegar a hora de completar seis anos da morte de Gilmar, o caso seja finalmente encerrado e o culpado punido.

“Eu sei que muitos casos não vão para a frente principalmente devido ao poder dos acusados, mas a nossa defesa está trabalhando duro para que a Justiça seja feita. A morte do meu filho me revolta, mas essa foi uma situação que a vida me obrigou a enfrentar e estou fazendo o melhor que posso”, concluiu ela.

O caso

Carli Filho é acusado de matar Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida em um acidente de trânsito em maio de 2009. Segundo a acusação, ele dirigia embriagado e a 173 km/hora. Na ocasião, o Detran informou que o ex-deputado tinha 130 pontos em sua CNH por infrações de trânsito.