O chefe de gabinete da Casa Branca, Reince Priebus, disse neste domingo que estrangeiros com visto permanente (green card) não serão afetados pela ordem executiva assinada na sexta-feira pelo presidente Donald Trump e que restringe a entrada de cidadãos com visto e refugiados de sete países de maioria muçulmana.

Segundo Priebus, cidadãos de Irã, Iraque, Síria, Sudão, Líbia, Somália e Iêmen que possuem green card podem passar por inspeção mais rigorosa ao chegar aos EUA. Ele disse, no entanto, que a ordem executiva “não os afeta”. “A ordem executiva em si não traz mais problemas para pessoas que possuem green cards”, disse Priebus à rede de TV CBS.

De acordo com a ordem de sexta-feira, refugiados ou cidadãos daqueles sete países, mesmo com visto, estão proibidos de entrar nos EUA por pelo menos 90 dias. De acordo com relatos, cidadãos daqueles países que possuem green card foram detidos em aeroportos dos EUA. No sábado, um porta-voz do Departamento de Segurança Interna dos EUA disse à Reuters que a ordem “barrava portadores de green card”.

Os comentários do chefe de gabinete da Casa Branca se seguiram a uma avalanche de críticas de legisladores de ambos os partidos. Enquanto republicanos e democratas questionaram a moralidade e a implementação da medida, a administração Trump tentou descrever os obstáculos legais, o inconveniente para viajantes e as questões diplomáticas como pequenos problemas que poderiam ser resolvidos. Priebus destacou que a ordem executiva não é uma “proibição a muçulmanos”.

Neste domingo, Trump postou no Twitter: “Nosso país precisa de fronteiras sólidas e inspeções extremas, AGORA”.

Uma ordem de emergência emitida na noite de sábado por uma juíza federal impediu temporariamente os EUA de deportar pessoas de nações sujeitas à proibição de viagens.