Por Elizangela Jubanski e Juliano Cunha

Professores da rede municipal de ensino da cidade de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, decidiram em assembleia na noite dessa terça-feira (17) que as atividades podem ser paralisadas a partir de segunda-feira 23). A decisão do indicativo de greve foi aprovado por cerca de 250 pessoas que se reuniram com a prefeita Beti Pavin e a secretária municipal de Educação Aziolê Cavallari Pavin. No encontro, a prefeitura informou não haver dinheiro em caixa para atender as reivindicações da classe. A prefeitura será notificada ainda nesta quarta-feira (18) sobre o indicativo de greve.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública de Colombo Claudinei Duarte Lima, a única possibilidade de a greve não acontecer é a uma contraproposta da prefeitura quanto aos reajustes solicitados pela categoria. “Quarta, quinta e sexta vamos passar o dia informando a classe trabalhadora, os diretores, os pais, a comunidade sobre o ato aprovado em assembleia. Vamos avaliar a decisão caso tenha outra proposta, senão vamos iniciar uma greve com tempo indeterminado”, explica.

Segundo ele, a principal reivindicação da categoria é a reposição de perdas salariais dos professores. “Nossos estudos indicam que são oriundos desde 1996, baseado no Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos)”.

Os professores também pedem melhores condições de trabalho e pagamento da hora-atividade sem descontos. A próxima assembleia acontece nesta sexta-feira (20).