Por Felipe Ribeiro e Antônio Nascimento

Foto: Antônio Nascimento - Banda B

Foto: Antônio Nascimento – Banda B

Cerca de dez mil professores e funcionários da rede estadual do Paraná lotam as ruas do Centro de Curitiba nesta terça-feira (29) para pressionar o governo do estado a melhorar a proposta para a categoria. Para as 15h30, na Universidade Positivo, está marcada uma assembleia avaliativa, onde os trabalhadores irão decidir se aceitam a proposta apresentada pelo governador Beto Richa na noite de ontem ou se mantém a paralisação.

Em entrevista à Banda no começo da tarde, a presidente da APP-Sindicato, Marlei Fernandes, disse que não é possível dizer se a greve se a greve será encerrada ou não. “Quem define é a categoria. Tivemos alguns avanços frente a última proposta, mas estávamos na estaca zero. A greve, porém, quem define o fim ou não é o conjunto da categoria”, disse.

Hoje é o sexto dia da greve que atingiu todo o estado. Os professores esperam que o governo contemple pontos deixados de fora na última reunião com a categoria: mudanças no contrato dos educadores temporários, nos direitos daqueles que atuam com a Educação Especial e novos concursos públicos. Além disso, a APP não aceita o parcelamento da dívida do governo de R$ 100 milhões em dez vezes.

De acordo com o comando de greve, até a assembleia, a contraproposta deve ter uma melhora significativa. Nesse caso, os professores vão avaliar e decidir se aceitam ou não os pontos traçados, pondo um fim a greve. Caso contrário, a paralisação continua.