Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique
Professores da rede municipal de ensino de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, iniciaram nesta segunda-feira (23) uma paralisação em escolas e creches da cidade. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (APMC Sindicato), mais de 80% dos educadores aderiram a paralisação e os alunos foram dispensados das aulas por tempo inderteminado.

educadorescolombo23092013

Professores só voltam com nova proposta da prefeitura (Foto: Bruno Henrique – Banda B)

Os trabalhadores pedem a reposição de perdas salarias histórias, auxílio alimentação e transporte em dinheiro e revisão do PCCV (Plano de Cargos Carreira e Vencimentos). “Nós precisamos de valorização e isto não está acontecendo. Como não houve proposta a paralisação começa hoje sem prazo para terminar. Só vamos voltar com uma proposta da prefeitura”, afirmou à Banda B a professora Silmara Aparecida Maier.

Dezenas de professores participaram da manifestação nesta segunda-feira. O grupo saiu do Restaurante Popular, no bairro Alto Maracanã, e deve terminar às 11h com um abraço simbólico à regional da Secretaria Municipal de Educação também no Alto Maracanã.

A Banda B entrou em contato com a Prefeitura de Colombo para buscar informações sobre como o tema está sendo tratado pela administração da prefeita Beti Pavin e foi informada por meio de nota que a prefeitura sempre atendeu a categoria e somente neste ano, cinco reuniões foram feitas com a APMC Sindicato: a última no dia 20 de setembro às 14h30. A prefeitura informou que se mostrou aberta a entender e atender a classe durante todos os encontros que aconteceram.

Ainda, segundo a prefeitura, eles tiveram aumento da hora atividade, que, segundo eles, saltou de 20 para 25% desde o último dia 15 de agosto com a intenção de elevar ainda mais, gradativamente, este índice para Revisão do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Servidores Públicos; Revisão do estatuto dos professores; Reajuste de 20% para os educadores e 12% para os professores já em 2014.

A Prefeitura de Colombo  confirma que a greve afeta 24 mil alunos da rede pública de ensino, entre escolas e Centros Municipais de Educação Infantil – CMEI’s. “A Prefeitura de Colombo lamenta a greve deflagrada pela APMC Sindicato destacando que não mediu esforços para atender a todas as reivindicações da categoria dos professores e educadores com o objetivo de não causar transtornos às crianças e suas famílias que contam com este importante serviço”.