Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique

abracodentroManifestantes fecham todos os portões de acesso à Alep (Foto: Bruno Henrique – Banda B)

 Acompanhe a cobertura em tempo real da votação do ‘pacotaço’:

Os professores prometem cercar os deputados estaduais para evitar que, na sessão improvisada marcada para esta quinta-feira (12), o ‘pacotaço’ do governador Beto Richa (PSDB), que afeta diretamente o funcionalismo público, seja aprovado pelos parlamentares da base aliada. Os manifestantes abraçam os nove portões da Assembleia Legislativa (Alep) para fazer com que ninguém entre para o encontro, que está marcado para acontecer no antigo refeitório da Casa, no 5° andar do prédio.  Por volta das 12h, após receberem informações de que a votação poderia acontecer na sede da TV Educativa, no bairro Mercês, em Curitiba, professores também cercaram o edifício.

Segundo o blogueiro Fábio Campana,há três lugares preparados para a realização da sessão de hoje da Assembleia Legislativa. “A Mesa Executiva considerou mais seguro e prudente realizar a sessão em outro lugar, o que é permitido pelo Regimento Interno da Casa. Além de um Centro de Convenções, o plenário do Tribunal de Contas e o Canal da Música foram preparados”, diz Campana.

O presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão, falou que não serão medidos esforços para evitar a aprovação do ‘pacotaço’. “Vamos até o fim na luta para a derrubada deste projeto de lei. Chamo mais pessoas para que venham nos ajudar aqui, porque é um dia decisivo e precisamos fazer o que for preciso para evitar a aprovação”, afirmou à Banda B.

abracodentro2Três mil pessoas acamparam na Alep, estima sindicato (Foto: Bruno Henrique – Banda B)

Hermes descreveu que não se importa com a multa arbitrada, em seu nome, no caso do não cumprimento da reintegração de posse da Alep. “São R$ 10 mil por hora no meu nome e de outros dois professores, mas não vamos abrir mão de nossa luta. Nossos advogados já estão tentando reverter essa decisão. Ontem foram três mil pessoas que passaram a noite aqui”, afirmou.

O ‘abraço’ ao prédio da Alep também se estende ao Tribunal de Justiça e deve bloquear completamente a entrada de pessoas no Centro Cívico.

Sessão de ontem

Deputados estaduais da base aliada do Governo do Estado voltaram a apresentar na tarde de ontem (11) o requerimento de comissão geral para a votação do “pacotaço” de redução de custos. A sessão aconteceu a portas fechadas no quinto andar da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), já que o plenário está ocupado por manifestantes, principalmente professores ligados à APP Sindicato.

A nova sessão, em que ‘pacotaço’ deverá ser aprovado, está marcada para acontecer hoje. Só que dificilmente acontecerá novamente no refeitório já que os manifestantes impendem a entrada de pessoas.

Reintegração de posse

A Procuradoria Geral do Estado do Paraná conseguiu durante a madrugada um mandado de reintegração de posse para que os manifestantes desocupem o prédio da Alep. O presidente da APP Sindicato, porém, se recusou a assinar o requerimento e os manifestantes se negam a deixar o espaço.

Segundo o presidente Traiano, a determinação da Casa é a de que a Polícia Militar não use a força para retirar os manifestantes.

Ocupação

O plenário e alguns corredores da Alep foram ocupados no final da tarde de ontem, no momento em que centenas de servidores derrubaram a cerca do local e invadiram em massa as instalações. Os deputados tiveram que correr para uma sala anexa e ficaram acuados por cerca de 20 minutos, até a Polícia garantir a saída de todos do plenário.

Os servidores passaram a noite no plenário e garantem que só saem se o governo retirar da pauta os projetos que prevêem mudanças no funcionalismo. O sistema de ar condicionado foi desligado e o calor é grande dentro do prédio.