Da BBC Brasil

“Dou aula de porta aberta por medo do que os alunos possam fazer. Não dá para ficar sozinha com eles”, diz Liz*, professora de inglês de dois colégios públicos da periferia de São Paulo.

Em 15 anos de aulas tumultuadas e sucessivas agressões (de ameaças de morte a empurrões e tapas na frente da turma), a professora chegou a tentar suicídio duas vezes – primeiro por ingestão de álcool de cozinha, depois por overdose de remédios.

“Me sentia feliz quando comecei a dar aulas. Hoje, só sinto peso, tristeza e dor”, diz.

professora-suicidio-250814-bandab

(Foto: BBC Brasil)

Lápis afiado

A primeira tentativa de suicídio aconteceu assim que Liz descobriu que estava grávida.

“Quando vi que teria um filho, fiquei desesperada. Eu não queria gerar mais um aluno”, diz a professora, que bebeu álcool de cozinha e foi socorrida pela mãe.

A segunda aconteceu em abril do ano passado, após agressões consecutivas envolvendo alunos da primeira série de uma escola municipal e do terceiro ano do ensino médio de um colégio estadual, ambos na zona sul de São Paulo.

“Começou com um menino com histórico de violência familiar. Ele atacava os colegas e batia a própria cabeça na parede. Um dia, para chamar minha atenção, ele apontou um lápis bem apontadinho e rasgou o rosto de uma ‘aluna especial’ que sentava na minha frente”, relata.

Ela conta que o rosto da aluna, que tem dificuldades motoras e intelectuais, ficou coberto de sangue.

“Violência gera violência”, diz Liz, ao assumir ter agredido, ela mesma, o menino de 6 anos que machucou a colega com o lápis.

“Empurrei ele com força para fora da sala. Depois fiquei destruída”, conta.

Na semana seguinte, diz Liz, um aluno de 16 anos a “atacou” após tentar mexer em sua bolsa.

“Ele disse que a escola era pública e que, portanto, a bolsa também era dele. Eu tentei tirar a bolsa, disse que era minha e então ele pulou em cima de mim na frente de todos”, relata.

O adolescente foi suspenso por seis dias e voltou à escola. O mesmo não aconteceu com Liz, que pediu licença médica e se afastou por um ano.

“Não me matei. Mas não estou convencida a continuar vivendo”, diz.

Quadro negro e luz

A professora de inglês diz que a gota d’água para buscar ajuda de um psiquiatra foi quando percebeu que estava se tornando “muito severa” com a própria filha, de 6 anos. “Ali eu vi que estava perdendo a vontade de viver”, diz. “A violência na escola é física, mas também é moral e institucional. Isso acaba com a gente”, afirma.

A educadora diz que, nas duas oportunidades, não procurou a polícia por “saber que nada seria feito e que os policiais considerariam sua demanda pequena perto das outras”.

Para a educadora, o modelo atual das escolas estaria ultrapassado, o que tornaria a situação mais difícil. “Na sala de aula, eu dou aula para as paredes. E se o aluno vai mal, a culpa é nossa. Essa culpa não é minha, eu trabalho com quadro negro e giz. Enquanto isso os alunos estão com celular, tocando a tela”, observa.