Trincheira na Avenida das Torres

A Prefeitura de Curitiba pediu à Caixa Econômica Federal (CEF) o cancelamento do financiamento para a remodelação da Avenida Cândido de Abreu. A obra integrava o conjunto de sete ações da Matriz de Responsabilidade do município para a Copa do Mundo FIFA 2014. A decisão foi tomada porque alterações no projeto tornaram a obra cinco vezes mais cara, o que acarretaria numa contrapartida, para o município, 83 vezes maior do que o previsto originalmente. Além disso, segundo o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Sérgio Póvoa Pires, não haveria mais tempo hábil para entregar a obra pronta para a Copa do Mundo.

No contrato assinado em setembro de 2010, a obra estava avaliada em R$ 5.157.894,74 e o financiamento da CEF tinha o valor de R$ 4.900.000,00. A contrapartida da Prefeitura de Curitiba seria de R$ 257.894, 74, o equivalente a cerca de 5% do valor total da obra.

O projeto, contudo, segundo Pires, não tinha o detalhamento necessário. Em maio de 2012, quando o projeto executivo foi detalhado, o custo da obra subiu para R$ 14.200.000,00. As intervenções previam nova pavimentação da via e instalação de passeios, pontos de parada de transporte coletivo, terraplenagem, sinalização horizontal e vertical, sinalização semafórica, novas galerias de drenagem, iluminação convencional e modernização da sinalização semafórica.

Meses depois, a atual administração municipal concluiu que, além das intervenções já previstas, seriam necessárias obras de drenagem nas duas extremidades da rua e também a instalação de distribuição de energia subterrânea para iluminação da via, que não tinham sido previstas. Com essas novas alterações, o valor final da obra seria elevado para R$ 26.242.000,00.

Desta forma, o financiamento da CEF permaneceria em R$ 4.900.000,00, mas a contrapartida da Prefeitura de Curitiba subiria para R$ 21.342.000,00. Além disso, já não haveria tempo hábil para entregar a obra pronta para a Copa do Mundo de 2014.

“Não temos como arcar com esses valores e tampouco conseguiríamos cumprir os prazos legais previstos na Matriz de Responsabilidade. E investir mais de R$ 26 milhões em 900 metros de uma única avenida, é algo que nos faz pensar uma, duas, vinte vezes. Por isso, a melhor decisão foi pedir a rescisão do contrato de financiamento”, disse o presidente do Ippuc.

Atrasos

Em reunião com vereadores que fazem parte da Comissão da Copa de 2014 nesta terça-feira, Sérgio Pires também admitiu que todas as obras de infraestrutura para o Mundial estão atrasadas. Os motivos são problemas nos contratos com empreiteiras, ajustes nos projetos e a necessidade de novas licitações. Apesar do atraso, a prefeitura garantiu que todas as obras estarão prontas até abril do ano que vem.

As obras previstas são na Linha Verde Sul, na rodoferroviária e nas Avenidas das Torres e Marechal Floriano Peixoto. Juntas vão custar R$ 358 milhões, sendo que a maior parte será financiada pelo Governo Federal.