Da SMCS

Depois de implantar a primeira Via Calma do Brasil, em junho de 2014, na Avenida Sete de Setembro, a Prefeitura de Curitiba abriu licitação para a implantação de estruturas semelhantes nas avenidas João Gualberto e Paraná. Serão vias com velocidade máxima de 30 quilômetros por hora, nas quais os ciclistas e motoristas irão compartilhar espaço, com prioridade para a bicicleta sobre os veículos motorizados. A previsão é de que as obras, que devem durar seis meses, iniciem no primeiro trimestre de 2016. O custo estimado é de R$ 4,26 milhões.

viacalma

Foto: SMCS

A maior parte dos recursos será destinada à melhoria da pavimentação viária, não apenas nas ciclofaixas como também nas áreas de circulação dos veículos motorizados e nos locais de estacionamento. As vias calmas serão implantadas ao longo das avenidas João Gualberto e Paraná, entre os bairros Centro e Santa Cândida, consolidando 14 novos quilômetros de estruturas cicloviárias na cidade, sendo 7 quilômetros para cada lado da via, com projetos e obras distintos.

As obras serão feitas desde o início da Avenida João Gualberto, no encontro com a Rua Presidente Faria, até o final da Avenida Paraná, no cruzamento com a Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, na região próxima à sede da Polícia Federal. O edital de concorrência (Nº CP/057/2015 – SMOP/OPP) divide as obras em quatro lotes. Os envelopes com as propostas podem ser encaminhados até o dia 25 de novembro, às 17h, e a abertura será realizada no dia seguinte (26), às 9h30. O edital está disponível para download no site www.curitiba.pr.gov.br, bastando clicar no banner “Acompanhe as Licitações da Prefeitura”.

O projeto exigirá arranjos geométricos em alguns pontos específicos para garantir a segurança e o conforto de pedestres, ciclistas e usuários do transporte coletivo, além de tornar mais harmônico o espaço destinado à circulação dos ônibus. “A implantação dessas novas Vias Calmas ajudará não apenas ciclistas de Curitiba que necessitam de novas rotas para se deslocar. Ao reduzirmos a velocidade máxima da via para 30 quilômetros por hora, pedestres, ciclistas e motoristas são beneficiados com um trânsito mais humanizado, calmo e seguro”, avalia o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Sérgio Pires. O Ippuc é responsável pelo planejamento das novas estruturas cicloviárias da cidade.

Como funcionam as Vias Calmas

As vias calmas são estruturas cicloviárias instaladas ao longo das vias que comportam as canaletas dos ônibus biarticulados e são ladeadas por duas vias lentas com sentidos opostos de tráfego. Têm o propósito de harmonizar e facilitar o deslocamento intermodal.

Nas vias calmas, os ciclistas passam a transitar exclusivamente pelo lado direito da via (nos dois sentidos), sobre área demarcada em linha tracejada. A via é compartilhada entre veículos motorizados e bicicletas, com prioridade para os ciclistas. A velocidade máxima permitida para carros e motos é de 30 km/hora. Para tanto, é implantada ampla sinalização horizontal e vertical. Os ônibus permanecem circulando nas canaletas exclusivas.

Bicicaixas

Instaladas nos cruzamentos, as bicicaixas criam uma área especial de parada para bicicletas nos semáforos, entre a faixa de pedestres e a área de veículos motorizados. Dessa forma, protegem e priorizam os ciclistas quando abre o sinal. Também garantem mais segurança aos ciclistas nos cruzamentos e asseguram a prioridade para as bicicletas na realização de conversões.