Divulgação
Luizão teme pelo futuro do sistema integrado

O presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana (Assomec) e prefeito de Pinhais, Luizão Goulart (PT), disparou sua artilharia nesta quinta-feira na direção do governador Beto Richa (PSDB), que decidiu cortar o subsídio de R$ 60 milhões ao transporte público de Curitiba e região metropolitana. Segundo Luizão, esta decisão pode fazer com que a passagem aos usuários dos municípios metropolitanos passe de R$ 2,60 a R$ 4,10.

“Não podemos perder a conquista que foi esta passagem integrada, porque hoje muita gente trabalha em Curitiba e mora na região metropolitana e vice e versa. Quando o prefeito era Luciano Ducci (PSB), Richa defendia o subsídio e agora isto mudou. Para mim é uma atitude política que só irá prejudicar a população”, afirmou em entrevista à Banda B.

Luizão disse que ao fazer isto Richa coloca em risco a integração do transporte coletivo. “Esta notícia caiu com uma bomba, porque isto pode acabar com a integração e se isso acontecer a tarifa na região metropolitana seria de R$ 4,10. Mesmo sendo mantido o sistema integrado, a tarifa vai passar dos R$ 3,00, o que é caro. Isso ainda pode causar um verdadeiro caos no trânsito com aumento de uso de carros e motocicletas”, apontou.

Para o presidente da Assomec, a intenção agora é tentar fazer Richa reaver a decisão. “A fama de Richa foi feita quando ele reduziu a tarifa e então ainda acreditamos na sensibilização do governador para que o sistema intregado seja mantido”, concluiu.

Versão do governador

Ontem, durante a entrega de viaturas as Polícias Civil e Militar, Richa mais uma vez afirmou que não vai manter o subsídio e disse que a manutenção do transporte coletivo é obrigação de cada município. O governado ainda destacou que vai estudar alternativas para ajudar o transporte coletivo nos municípios paranaenses e apontou que em 2013 o Estado vai perder bilhões de reais por conta de medidas do Governo Federal e por isto manter o subsídio se torna inviável.