O policial civil Delcio Augusto Rasera foi condenado a 20 e nove meses anos de prisão pelos crimes de quadrilha e diversas escutas ilegais, pelo Juízo da Vara Criminal de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, nesta sexta-feira (15). A sentença, que abrange outros denunciados além de Rasera, foi proferida com base em denúncia apresentada pelo Ministério Público do Paraná.

Rasera havia sido preso no início de setembro de 2006 por uma equipe da Promotoria de Investigação Criminal (PIC), atual GAECO, durante o período eleitoral, sob a suspeita de executar escutas ilegais (os chamados “grampos”) e de portar armas ilegalmente. No mesmo mês, o GAECO denunciou 12 pessoas à Justiça de Campo Largo, acusando-as dos crimes de quadrilha armada e de interceptação clandestina de telefones (sem a devida autorização judicial).

O esquema teria como mentor o policial civil Delcio Augusto Rasera, que mantinha uma empresa de investigação particular, onde atuavam dois de seus filhos. Na época, Rasera estava afastado da Polícia Civil para trabalhar na Casa Civil.

As investigações do MP-PR apontam que a quadrilha, além de fazer interceptações clandestinas de telefones, obtinha extratos de ligações clandestinas e dados pessoais de titulares, para o fim de interceptações, junto a pessoas que trabalhavam em empresas de telefonia. Foram apreendidos equipamentos eletrônicos, gravações e e-mails que comprovaram as interceptações perante a Justiça.

Cabe recurso da sentença de primeiro grau.