Da Redação

O Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná (Sinclapol) convocou a categoria para participar de paralisação geral em todas as unidades de Polícia Civil do Paraná nesta sexta-feira (6). De acordo com o sindicato, o protesto lamenta a morte de Marcos Gogola, investigador e superintendente da Delegacia de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, ocorrida nesta quinta-feira (5) pela manhã, quando ele levava um preso a um consultório odontológico.

O incidente também feriu o carcereiro conhecido como “Chiquito”, socorrido em estado grave, com risco de morte. “A morte de Gogola é culpa da inércia da Secretaria Estadual de Justiça (Seju) e do Departamento de Execução Penal do Estado do Paraná (Depen), que permitem e mantém esta situação degradante de desvio de funções nas carceragens das delegacias de polícia”, disse André Gutierrez, presidente do Sinclapol.

Segundo Gutierrez, os policiais permanecem em constante risco de morto e perigos reais à saúde física e psicológica. “Eles deixam de trabalhar nas ruas, na investigação criminal, para serem verdadeiros babás de presos, correndo riscos de perder a vida, contraírem doenças e serem feridos ou mortos a qualquer instante, como aconteceu com o nobre policial e investigador Marcos Gogola. Estamos indignados com esta situação e vamos cobrar das autoridades legais as devidas medidas”, salientou o presidente do Sinclapol.

A Banda B entrou em contato com a assessoria da Polícia Civil que informou que não irá se pronunciar sobre a convocação.

Notícias Relacionadas:

Primeiro acusado pela morte de superintendente é preso na Grande Curitiba

Superintendente da Delegacia de Campo Largo é morto durante escolta de preso