Cerca de 6 mil agentes de segurança pública, sendo 5,2 mil policiais militares, participaram da segunda edição da “Operação Nhapecani”. As 6 horas da manhã desta quarta-feira (06/02) 508 pontos de todo o Paraná começaram a sofrer bloqueios. A ação é comandada pela Polícia Militar, com apoio da Polícia Civil, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, além de integrantes da Receita Federal e da Guarda Municipal.

“Trata-se de uma coordenação de forças inédita, e que já deu certo. Ela deve acontecer constantemente, com o fechamento das principais vias de acesso aos municípios e rodovias para coibir a criminalidade em geral. Trata-se de uma ação para ampliar a segurança do Paraná”, disse o comandante-geral da PM, coronel Roberson Luiz Bondaruk. Cerca de 1,5 mil viaturas estão sendo usadas na operação.

A incidência de crimes violentos contra a pessoa (homicídios, latrocínios e lesões corporais) e contra o patrimônio (furtos e roubos), tanto às residências contra o comércio, assim como os casos de roubos e furtos em veículos devem ser reduzidos com esta ação. Policiais estão fazendo batidas, abordagens e bloqueios, fiscalizando todos os tipos de veículos e estabelecimentos comerciais.

“Estes pontos são flexíveis para que os policiais circulem. Quando eles ficam num mesmo local, a ção perde a efetividade, uma vez que as pessoas podem evitar passar por ali”, disse o coronel Vilmar Becker, subcomandante da PM. Somente em Curitiba, quase 100 pontos de blitz acontecerão ao longo de toda a operação.

Para o supevisor operacional da Polícia Rodoviária Federal, Lyer Woczikosky, a integração das forças com a Polícia Judiciária é muito importante. “Quando todas as forças trabalham unidas, o resultado final é bem melhor e traz mais benefícios à população”, afirmou Woczikosky.

“A Polícia Civil também está desempenhando policiamento ostensivo, mas principalmente os serviços judiciários. Além disso, os trabalhos de Poder Judiciário, cumprimento de mandados de prisões, buscas e apreensões no Paraná também estão sendo feitos. Mas o grande mote da mega-operação são as barreiras em todo o Estado”, comentou o porta-voz da operação da Polícia Civil, Walter Baruffi Júnior.

Os batalhões especializados da Polícia Militar também devem participar das ações, sendo eles: o Batalhão de Polícia Rodoviária, o Batalhão de Polícia Militar Ambiental, o Batalhão de Patrulha Escolar, o Batalhão de Polícia de Trânsito e o Regimento de Polícia Montada, que estão atuando em conformidade aos comandos regionais onde atuam.

Além deles, participam o Batalhão de Operações Especiais, o Batalhão de Policia Guarda e o Batalhão de Polícia de Fronteira.

Nhapecani– A operação, que esta na segunda edição, surgiu das reuniões periódicas com os setores de inteligência em parceria com os órgãos participantes. Outras edições da operação ocorrerão constantemente sem data específica ou horário determinado.

A primeira edição da Nhapecani, feita em dezembro do ano passado, resultou na abordagem de 36 mil pessoas das quais 188 delas foram detidas ou apreendidas.

As equipes vistoriaram 22,8 mil veículos, sendo que 614 foram apreendidos ou recuperados. Cerca de 50 quilos de maconha e 4.227 pedras de crack também foram encontrados.

Trinta armas de fogo e 512 munições, de diversos calibres, foram apreendidas. Este resultado foi conquistado em 42 horas de operação. Além de 31 Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH) apreendidas, 3.427 multas por infração de trânsito foram expedidas. As equipes também vistoriaram 733 estabelecimentos. Os policiais militares apreenderam 5.447 objetos ilícitos ou de contrabando. Das ações, 31 resultaram em assinatura de Termo Circunstanciado.