A Polícia Militar cumpriu na manhã desta quinta-feira (21/02) a reintegração de posse de parte da área particular de 121 mil metros quadrados, na comunidade Jardim Alegre, Cachoeira, em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba. A ação começou às 8h30 da manhã e deve durar aproximadamente três dias. A ordem de reintegração foi emitida pela Justiça de Araucária.

Naquela área, mais de 350 barracos e pequenas casas, construídos com lona, madeira e alvenaria, abrigam 1.290 pessoas, que começaram a ocupar o terreno em outubro do ano passado. A PM localizou 9.195 hectares de mata nativa desmatada, em estágio médio de regeneração. Desse total, 2,18 hectares são de Área de Preservação Permanente (cabeceiras de nascentes e córregos), onde havia 59 casas.

O Ministério Público e assistentes sociais acompanham a reintegração, com oficiais de justiça, que informa a determinação judicial aos moradores. “Houve uma ocupação ilegal, todas as fases do processo civil foram cumpridas, as pessoas foram comunicadas sobre a reintegração e, por fim, o juiz expediu a ordem de reintegração de posse, solicitando que a Polícia Militar acompanhasse os oficiais de justiça, a fim de garantir a integridade física de todos”, detalhou o coronel Péricles de Matos, coordenador operacional da PM e comandante do 6.º Comando Regional.

A ação reúne policiais militares do 17.º, 22.º, 12.º, 13.º e 20.º batalhões e das unidades especializadas Regimento de Polícia Montada (RPMon), Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) e do Batalhão de Operações Especiais (Bope). O comandante do 17.º BPM, tenente-coronel Edson Hartmann, e responsável pela operação, o efetivo policial é proporcional ao número de pessoas no local.

A previsão é de três dias para a retirada total das pessoas, mas o prazo pode se estender devido ao tipo de construções. “Assistentes sociais e conselheiros tutelar orientam os moradores, guardas municipais, auxiliam a organizar o trânsito, e o Corpo de Bombeiros está presente com ambulâncias para caso haja algum incidente. Todo este aparato é para dar assistência às pessoas que estão no local”, destaca Péricles. Caso haja resistência as pessoas serão encaminhadas a um local de triagem.

OCORRÊNCIA – Durante Amanhã, um homem, de 49 anos, foi encaminhado à delegacia local por estar com um mandado de prisão em aberto. Outro, suspeito de ser o responsável pela venda dos lotes, também foi levado para prestar esclarecimentos.