A Polícia Científica do Paraná receberá, nos próximos meses, R$ 72 milhões em investimentos para obras e compra de equipamentos para modernizar unidades do Instituto Médico-Legal e do Instituto de Criminalística. A informação foi divulgada pelo secretário da Segurança Pública, Cid Vasques, segunda-feira (01), durante solenidade de posse do diretor-geral da Polícia Científica, Leon Grupenmacher.

O diretor-geral será responsável por coordenar e estabelecer padrões de trabalho e atendimento dentro do IML e da Criminalística. “A tendência é que haja um protocolo de procedimentos para que a atividade como um todo seja normatizada e para que haja um atendimento mais eficiente”, afirma o secretário.

Grupenmacher complementa que a intenção é uniformizar condutas e interligar informações com o Poder Judiciário. Segundo ele, a Polícia Científica é responsável por produzir provas para contribuir na resolução de crimes. “Esperamos em breve anunciar a integração dos sistemas online utilizados pelos institutos, de boletins de ocorrência e laudos, para a resolução mais rápida dos casos”, explica.

INVESTIMENTOS – Vasques lembrou que a Secretaria da Segurança Pública está em fase de elaboração de dois novos concursos para contratação de mais profissionais para reforçar o serviço nos institutos. Além disso, nas próximas semanas serão entregues 56 viaturas, para IML e Criminalística, que foram adquiridas pelo Governo do Estado para ampliar a estrutura de atendimento.

Curitiba, Londrina e Maringá ganharão novas sedes, tanto do IML quanto da Criminalística. O IML de Maringá está com obras em andamento e as duas outras unidades estão em fase licitatória. Ao todo, os três novos prédios do IML têm custo estimado em R$ 25 milhões, com recursos do BNDES.

Já as três novas sedes da Criminalística estão estimadas em R$ 17 milhões, com recursos do Fundo Especial de Segurança Pública (Funesp).

As unidades do IML receberão novos rabecões, equipamentos para laboratório, cromatógrafos, aparelhos de raio-x, câmaras frias e mobiliários, estimados em R$ 16 milhões. Para a Criminalística estão previstos R$ 12,5 milhões para a compra de equipamentos para os laboratórios de DNA, de informática, de química, de balística, de documentoscopia e mobiliários. Há, também, aproximadamente R$ 1,8 milhão em convênios federais a serem aplicados.