Uma assistência técnica eficiente e políticas públicas adequadas fornecem ao produtor rural as condições necessárias para a preservação e bom uso do solo. O tema foi tratado na 3ª Reunião Paranaense de Ciência do Solo, que acontece até esta quinta-feira (09), em Londrina. O Plano ABC (Agricultura de Baixo Carbono), criado pelo Governo Federal, foi apresentado pelo coordenador no Paraná, Renato Viana Gonçalves, do Departamento de Florestas Plantadas da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento.

Gonçalves apresentou os benefícios do Plano Estadual ABC. “O plano tem por finalidade planejar ações para uma produção sustentável e o uso correto do solo”, explicou. Segundo coordenador, os produtores paranaenses têm aproveitado as condições oferecidas pelo plano, que oferece linha de crédito aos agricultores. “Estamos entre os estados com maior índice de financiamento para adequação ao Plano ABC, mas a caminhada ainda é longa”, avaliou.

O coordenador afirma que o desafio é adequar práticas e ações para enfrentar as mudanças que vêm ocorrendo no clima ao longo dos anos. “Hoje temos tecnologias que permitem a diminuição dos efeitos climáticos”, disse.

EROSÃO – Ações da assistência técnica pública foram abordadas por Nelson Harger, da Emater de Apucarana. Em sua palestra, ele falou sobre solos como o basalto, onde os problemas com o manejo são mais acentuados. O técnico explicou que, nessas áreas, a soja e o milho são cultivados de forma intensiva, o que causa problemas de infiltração de água, acarretando a erosão. “Os agricultores devem aprender a utilizar a palha no plantio. Esse recurso melhora a absorção da água e diminui o escoamento pela superfície”.

Harger enfatizou que as mudanças devem ser realizadas e mantidas, o que exige mudança de postura pelos agricultores. “Muitos produtores visam renda sem se importar com a qualidade do solo. A agricultura brasileira é referência, mas precisamos ser sustentáveis e conservacionistas”, destacou.

A 3ª Reunião Paranaense de Ciência do Solo é promovida pela Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, com organização do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar). Apoiam o evento o Londrina Convention & Visitors Bureau, Emater, Embrapa, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Fundação Araucária, Universidade Estadual de Londrina, (UEL), Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).