Por Felipe Ribeiro e Juliano Cunha

A Boca Maldita, em Curitiba, recebe nesta segunda-feira (28) um ato que marca o Dia Mundial das Vítimas de Acidente de Trabalho e Doenças Ocupacionais. Só no Paraná, 397 trabalhadores perderam a vida em acidentes de trabalho durante o ano de 2013, segundo dados da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), ligada ao Ministério do Trabalho e Emprego, e a ação de hoje tem como objetivo conscientizar empregadores e trabalhadores da importância da prevenção.

bocatrabalhador

Foto: Juliano Cunha – Banda B

De acordo com o auditor do trabalho, Carlos Bergmann, a campanha realizada nesta segunda é em favor da vida e todos no local esperam que o ato sirva para que empregadores e empregados se conscientizem da importância da prevenção. “Todos precisam ter em mente que quando você vai ao trabalho, você precisa voltar para casa e ninguém quer que uma morte ocorra nesse período. Hoje o Brasil tem um prejuízo de R$ 70 bilhões por causa de acidentes. de trabalho e somos todos nós que pagamos esse valor”, disse.

Dentre as principais causas de morte no estado estão motoristas de caminhão, com 212 mortes; 49 foram vitimados por quedas; 13 pelo impacto de objetos, 20 por choque elétrico, 12 por asfixia, 12 por máquinas, seis por esmagamento e, outros seis vítimas de explosão. Entre as ocupações mais afetadas por acidentes de trabalho estão os motoristas de caminhão, pedreiros, trabalhadores volantes da agricultura, empregados domésticos de serviços gerais e serventes de obras.

Como marco do dia, a Prefeitura de Curitiba lançou o Guia Saúde do Trabalhador, que traz informações sobre prevenção e segurança no trabalho. A apresentação do material foi feita pela vice-prefeita e secretária do Trabalho e Emprego, Mirian Gonçalves, durante o ato. “Todos devemos contribuir para um ambiente de trabalho seguro e saudável, pois a saúde é o maior patrimônio. O poder público deve fiscalizar a aplicação das leis e normas regulamentadoras e dos programas de segurança e saúde ocupacionais nas empresas”, disse.