O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, visitou nesta quinta-feira (28) o Hospital do Trabalhador de Curitiba. Durante a visita, o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, anunciou novos recursos do Estado para fortalecer o atendimento de urgência e emergência na região metropolitana de Curitiba. A visita do ministro que marcou a inclusão do HT no programa S.O.S Emergências do Ministério da Saúde.

“O Hospital do Trabalhador está entre os dez melhores hospitais do país em atendimento de urgência e emergência e precisa continuar sua qualificação”, disse o secretário. Ele informou que o Estado estuda a transferência da maternidade do HT para um novo prédio e a retirada do setor de ambulatório para o Centro Regional de Especialidades Kennedy, que está sendo reformado. “Essas mudanças viabilizarão de forma ágil e com poucos investimentos a oferta de mais leitos no HT, fortalecendo o atendimento de urgência e emergência na região metropolitana de Curitiba”, afirmou Caputo Neto.

O Paraná já tem o projeto da maternidade e em 2012 pediu que a prefeitura de Curitiba bloqueasse um terreno ao lado do HT como de interesse de saúde pública. A aquisição desse terreno, ou de outra opção, ficaria a cargo do município de Curitiba. A construção será feita pelo Estado. Em contrapartida, o governo estadual investe no pronto socorro municipal norte para ampliar o atendimento de urgência na RMC.

Outro projeto que já tem orçamento estadual é a construção do Centro de Especialidades Regional. Estão previstos R$ 5 milhões para as obras. O terreno também deve vir do município e a gestão deverá ficar sob a responsabilidade do Consórcio Metropolitano de Saúde do Paraná (Comesp).

ATENDIMENTO IMEDIATO – O ministro Alexandre Padilha explicou que o S.O.S Emergências se destina às pessoas que necessitam de atendimento rápido e imediato, vítimas de acidentes e de violência e que precisam de suporte médico e leitos de retaguarda qualificados.

´”O governo federal se une ao Estado, ao município, à direção do hospital e aos profissionais para garantir os recursos necessários para investimentos dentro e fora do hospital para que as pessoas tenham o atendimento no tempo mais adequado e que tenham conforto durante todo o tratamento”, afirmou o ministro.

O programa destinou R$ 5,7 milhões ao Hospital do Trabalhador para compra de novos equipamentos, entre os quais estão um aparelho de ressonância nuclear magnética, dois aparelhos de raio-x digitais, arco em ‘C’, para cirurgias ortopédicas, entre outros. Para o custeio, são R$ 3,6 milhões ao ano.

HOSPITAL DO TRABALHADOR – O Hospital do Trabalhador é um hospital público do Governo do Estado. É o principal pronto socorro do Paraná e responsável por grande parte da demanda de urgência e emergência de Curitiba e Região Metropolitana. Especializado em traumaortopedia, seu pronto socorro atende diariamente cerca de 300 pacientes, principalmente vítimas de acidentes de trânsito e violência interpessoal.

A unidade tem um custo mensal de R$ 8 milhões, sendo que o Governo do Estado investe cerca de R$ 4 milhões para manter o hospital. O restante é pago pelo Sistema Único de Saúde, que a partir de agora também repassará mais R$ 300 mil mensais por conta da adesão ao S.O.S Emergência.

Caputo Neto convidou o ministro Padilha para o lançamento da Rede Paraná Urgência, marcada para a próxima terá-feira (2 de abril), em Curitiba. “O Paraná Urgência tem uma consonância muito grande com o SOS Emergências do ministério e atuará em todas as regiões do Estado. Somente neste ano, estão previstos R$ 211,4 milhões para a rede estadual”, disse o secretário.

Também participaram da reunião o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet; o secretário municipal da Saúde, Adriano Massuda; o superintendente de Unidades Hospitalares Próprias da Sesa, Charles London; o diretor do HT, Geci Labres de Souza Jr, e demais diretores do hospital.