O Conselho Estadual do Meio Ambiente contará com um representante das comunidades indígenas do Paraná, pela primeira vez desde a sua criação, em 1984. O documento que regulamenta a participação dos indígenas foi assinado nesta sexta-feira (19) – Dia do Índio – pelo secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luiz Eduardo Cheida, e por representantes das comunidades indígenas e da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Hoje, 15 mil índios das etnias caingangue, guarani e xetá vivem no Paraná, em 56 terras indígenas, localizados em 30 municípios. “O Paraná é o primeiro Estado a tomar esta iniciativa que resgata a representatividade indígena e dá mais legitimidade ao Conselho Estadual do Meio Ambiente”, declarou o secretário Cheida.

Para o indigenista da Funai, Edívio Battistelli, a inclusão oficial dos indígenas no Conselho representa um marco na história paranaense. “Buscamos a sensibilidade do Governo, por meio a Secretaria do Meio Ambiente, para que os índios possam participar dos mecanismos de proteção que o Estado cria. Pela primeira vez, os índios serão os porta-vozes da etnosustentabilidade das suas comunidades”, afirmou Battistelli.

PREFEITURA – Ele lembrou que o governador Beto Richa criou, em 2008 –como prefeito de Curitiba – a primeira aldeia urbana indígena do Sul do Brasil. A aldeia Kakané Porã, que significa “fruto bom da terra”, abriga 240 índios de diferentes etnias.

O cacique da aldeia Kakané Porã, Carlos Kajer dos Santos, disse que a criação da aldeia foi fundamental para a sobrevivência dos índios que viviam em Curitiba e região metropolitana, longe das suas tradições e costumes. “Temos uma terra boa e estamos trabalhando para garantir a preservação dos recursos naturais que ainda possuímos. Por isso, a participação no Conselho é tão importante”, reforçou.

Nos próximos dias, lideranças indígenas de todas as comunidades do Paraná vão se reunir para indicar o representante da comunidade no Conselho Estadual. A posse do indicado ocorrerá na próxima reunião ordinária do órgão.

PROTEÇÃO – A vice-presidente do Conselho Nacional das Mulheres Indígenas, Jovina Donato, nasceu na comunidade de Mangueirinha, na região Sudoeste. Lá estão localizadas as maiores florestas nativas de árvores de araucária do planeta. São 300 mil árvores nativas de grande porte.

“Estas matas só continuam preservadas porque nós cuidamos. Não vendemos as árvores e não deixamos ninguém cortar. O nosso povo se preocupa com o desenvolvimento. Queremos que isso aconteça de forma sustentável”, afirmou Jovina. Durante a assinatura do documento, ela fez uma oração na língua caingangue para agradecer todos àqueles que ajudam a proteger o meio ambiente.

O CONSELHO – O Conselho Estadual do Meio Ambiente é um órgão superior, formado por um colegiado e conta com plenário, câmaras temáticas, grupos de trabalho e Comitê Gestor do Cadastro Estadual de Entidades Não Governamentais. É composto por representantes do Governo do Estado, de órgãos e entidades ambientais e da sociedade civil.