A viabilidade econômica da implantação de um polo aeronáutico no Paraná foi discutida nesta quinta-feira (09) em reunião na Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Esta foi a segunda reunião depois da aprovação da lei que cria o programa Paranaéreo, que estabelece incentivos específicos à cadeia produtiva aeronáutica, desde empresas de projeto, engenharia, manutenção, peças e montadoras de aviões civis e militares.

Com a direção do secretário do Planejamento, Cassio Taniguchi, e a participação dos secretários da Indústria e Comércio, Ricardo Barros; e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Alípio Leal, o encontro definiu as ações a serem desenvolvidas por cada um dos setores envolvidos, com o objetivo de avaliar o potencial e desenvolver o polo.

Uma das necessidades mais urgentes é o desenvolvimento de ações de pesquisa e de formação de mão de obra, tanto de nível superior como de nível técnico. O secretário Alípio Leal vai convidar as instituições de ensino do Paraná para avançar nesta questão, também prevista no plano de governo de ampliar estrategicamente o ensino superior do Estado e reforçar os cursos técnicos.

Participaram da reunião o diretor-presidente do Instituto Tecnológico do Paraná (Tecpar), Júlio C, Felix, que será o coordenador do projeto; o diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), Gilmar Lourenço; e representantes da Associação dos Engenheiros do ITA, da Agência Paraná de Desenvolvimento e do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremos Sul (BRDE).