Por Luiz Henrique de Oliveira e Bruno Henrique

O primo mais novo é lindo, o bebê do vizinho também, mas ter que cuidar deles por 24 horas é bem diferente. É exatamente isso que alunos da Escola Adventista no bairro Barreirinha, em Curitiba, estão percebendo na prática. Para evitar a gravidez precoce em adolescentes do 8° ano, a direção da escola promove pelo quarto ano consecutivo uma iniciativa diferente. Os alunos, com idade média de 14 anos, precisam cuidar de bonecos enrolados em um ‘saco de arroz’ de 5 kg durante uma semana, sem nenhum momento de trégua. Assim, eles percebem a responsabilidade de ter um filho precocemente.

Nesta quarta-feira (5), a reportagem da Banda B esteve na escola e viu de perto como as crianças levam a sério o pedido da direção. André Arico, diretor da Escola Adventista, explicou qual o objetivo com a iniciativa. “É um verdadeiro desafio os meninos e meninas terem que dar a atenção e verem a responsabilidade de ter um filho. Falamos sobre educação sexual, prevenção entre outras coisas importantes para a formação do adolescente”, explicou.

escolaforaAlunos precisa estudar e cuidar de ‘bebês’ ao mesmo tempo (Foto: Bruno Henrique – Banda B)

Durante a semana, até da aula de Educação Física os adolescentes ficam de fora, já que precisam trocar a fralda e dar comida para os ‘bebês’. “Eles vão para casa e também tem que cuidar do ‘bebê’. É um projeto que acontece há quatro anos e podemos comemorar que neste período não houve gravidez precoce na escola”, relatou a professora Gabriela Adriane Esmaninhoto, que comanda a garotada no cuidado das ‘crianças’.

Mesmo sem chorar, fazer xixi e cocô, as crianças dão trabalho. A estudante Alice Evangelista, por exemplo, disse que no começo estava gostando da ideia, mas agora já está cansada. “No início a gente se empolga, mas vai percebendo o quanto é difícil dar atenção, ter que se estudar e ainda brincar”, contou.

Nesta semana, as crianças deverão ainda receber a visita de profissionais da área de Saúde para um debate sobre a gravidez precoce. Quando a iniciativa terminar, os sacos de arroz serão doados a instituições de caridades.

Confira abaixo o registro fotográfico feito pelo repórter Bruno Henrique com momentos em que as crianças precisavam estudar e ainda dar atenção aos bebês de mentira: