Juliano Cunha/Banda B
Jovem de 24 anos estava indo trabalhar. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu dentro da ambulância

A imprudência de uma conversão proibida tirou a vida de um jovem trabalhador de 24 anos na manhã deste sábado (19) que estava na garupa de uma motocicleta. O acidente aconteceu na Avenida Manoel Ribas, nas Mercês em Curitiba, entre uma moto Yamaha e um veículo Palio. A vítima, identificada apenas como Yuri, foi jogada para pista contrária e acabou sendo atropelada por um veículo Corolla. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu dentro da ambulância. O veículo que ocasionou o acidente foi identificado, mas o condutor não foi detido.

Por volta das 8h45, a motocicleta conduzida por Hector Fernandes de Oliveira Garcia, 25 anos, trafegava a Avendia Manoel Ribas sentido o bairro Santa Felicidade. O motorista do Palio, na companhia de outro passageiro, segundo testemunhas que viram o acidente, estava na pista da direita ao lado da motocicleta quando, bruscamente, fez uma conversão proibida à esquerda. Nesse momento o Palio bateu na lateral da moto, que com o impacto foi jogada para a pista contrária. Yuri, que estava na garupa, foi atropelado por um Corolla que estava trafegando sentido centro da cidade. A condutora estava na companhia na filha e parou de imediato.

Rapidamente, várias testemunhas se reuniram e acionaram o Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) e o Batalhão de Polícia de Trânsito (BPtran). O jovem foi atendido pelos socorristas, mas por causa dos ferimentos graves morreu dentro da ambulância. O condutor da moto teve ferimentos leves e foi encaminhado ao Hospital Evangélico. Garcia contou que ele e o amigo estavam indo trabalhar.

Reconhecidos

Durante o atendimento no local, os condutores do Palio, que provocaram o acidente segundo testemunhas, passaram novamente no local. “São os mesmos, eu vi e anotei a placa. Na volta, vi também que o para choque deles está quebrado, estão desfilando por aí”, disse uma testemunha revoltada à reportagem da Banda B que estava no local. A placa do veículo suspeito foi passado ao BPtran, que alegou não poder sair do local para checar a informação sem antes ter uma declaração oficial das testemunhas.

Pouco tempo depois, outra testemunha se direcionou ao soldado do BPtran que atendeu a ocorrência e disse conhecer o motorista e o passageiro do veículo. “Eles são meus vizinhos, conheço eles, sei onde eles moram”, disse a testemunha ao BPtran. Entretanto, novamente, o soldado insistiu que aquela informação precisava de declaração oficial para ser checada, sem levar em conta que as denúncias poderiam levar ao condutor. De acordo com o homem, o veículo estava a menos de 500 metros do local do acidente.

Confirmação

O vizinho dos suspeitos, então, passou o endereço de onde estava o veículo – estacionado e com parte do para choque quebrado. Ainda se negando em ir ao local indicado, o BPtran continuou o procedimento burocrático enquanto a reportagem da Banda B identificou o endereço e achou o veículo. (FOTO)

O Palio estava com parte do para choque esquerdo quebrado e a placa era a mesma anotada por testemunhas no momento do acidente. Esta informação sobre o local e a confirmação também foi passada para o BPtran. Até o término da reportagem não havia informação sobre a abordagem ao condutor.

Resposta

A Banda B procurou a assessoria da Polícia Militar que informou, por meio do comandante geral da PM, que o carro foi apreendido horas depois e encaminhado à Delegacia de Delitos de Trânsitos. Ainda, informaram que o condutor do veículo Palio não foi encontrado.

Juliano Cunha/Banda B
Várias testemunhas que viram o acidente identificadas o Palio como sendo o veículo causador da colisão