Se depender dos preços, a Páscoa será menos generosa este ano. O ovo de chocolate, principal atração gastronômica da celebração, ficou 6,42% mais caro em 2013, em comparação com o ano passado, acima da inflação acumulada pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) entre março de 2012 e fevereiro de 2013, que foi de 6,04%.

Entre as sete capitais pesquisadas, o ovo de Páscoa registrou maior aumento médio em Porto Alegre (8,35%), seguido por São Paulo, que teve alta de 8,15%. Já a cidade de Belo Horizonte ficou com o menor índice de reajuste, 4,03%. No Rio de Janeiro, o preço médio do produto aumentou 6,06% comparado a variação observada em 2012.

O economista André Braz, responsável pelo levantamento, alerta que apesar dos aumentos às vésperas da Páscoa, é praticamente impossível evitar comprar ovos de chocolate. “Se tal gasto é inevitável nesta época do ano, é preciso controlar o impulso consumista e abusar da pesquisa de preços para economizar e presentear parentes e amigos”.

Para ele, a maioria dos consumidores aguarda até a véspera da Páscoa no intuito de aproveitar as promoções de última hora. Mas, segundo ele, o consumidor deve fazer suas compras com atenção, já que é maior a probabilidade de sobrar apenas àqueles produtos mais caros ou levemente danificados. “Vale pesquisar e comprar um pouco antes da Páscoa para ganhar na qualidade e no preço”, conclui.