Foram lançados nesta terça-feira (07), em Curitiba, os vídeos produzidos pela Organização Panamericana de Saúde (Opas) relatando a experiência do Laboratório Brasileiro de Inovação no Manejo de Condições Crônicas na Atenção Primária em Saúde. O lançamento aconteceu na reunião da Comissão Intergestores Bipartite da Saúde.

O laboratório foi realizado de 2010 a 2013 e teve como projeto piloto a Unidade de Saúde Alvorada, no bairro Uberaba, em Curitiba, numa parceria da Opas, Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass), Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) secretarias estadual e municipal de Saúde e Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

“A Organização Panamericana de Saúde é uma grande parceira do Sistema Único de Saúde e este laboratório serviu para mostrar que é possível inovar sem grandes investimentos, mas com a mudança da forma de atenção às pessoas, o que é viável para qualquer município”, disse o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto. “A saúde começa pela base, nas unidades de saúde dos municípios. É lá que temos que fazer a diferença”, completou.

A consultora técnica de sistemas de saúde da Opas, Elisandrea Sguario Kemper, disse que um dos maiores objetivos da organização é produzir conhecimento e compartilha-lo para ampliar a inovação. Por isso, a decisão de fazer o projeto e registrá-lo em vídeo.

Os seis materiais produzidos estão disponibilizados na página da organização na internet e 6 mil cópias serão enviadas às secretarias municipais para que sejam reproduzidos e utilizados pelas equipes de saúde de todo país. “Inovação não envolve tecnologia, mas mudança de comportamento. As melhores soluções da saúde estão nos municípios e é nossa função descobrir esses exemplos e divulgá-los para ampliar seus resultados”, disse.

Para o secretário executivo do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass), Jurandi Frutuoso, esse projeto poderá ajudar os gestores a entender que é possível resolver problemas complexos de forma simples. “O grande diferencial para avançar é a harmonização e a união da equipe. O investimento principal é nas pessoas”.

O presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Antonio Carlos Nardi, garantiu que a entidade vai incentivar os municípios a conhecer o projeto e aplicá-lo em suas unidades de saúde. “Nós temos que aprender a mudar a prática, fazer diferente e melhor”.

PROJETO – O laboratório brasileiro de inovação no manejo das condições crônicas na Atenção Primária em Saúde propôs uma nova abordagem das equipes de saúde ao enfrentamento de doenças como diabete, pressão alta e depressão, que atingem uma grande parcela da população. O grande desafio das equipes foi mudar a forma de abordagem aos usuários das unidades de saúde.

Segundo a coordenadora do projeto na Unidade de Saúde Alvorada até abril deste ano, Maria Cristina Arai, a grande mudança partiu da equipe de saúde. “Cada profissional teve que rever sua atitude. Deixamos de fazer palestras e passamos a dialogar com os usuários em rodas de conversa e os resultados foram magníficos”, relata.