Por Sérgio Brandão*

O frio de Curitiba é mesmo de espantar atletas de primeira viagem. Levantar cedo e correr, ou nadar, ir até a academia puxar um ferro, não é mesmo nem um pouco fácil nestes dias de frio. Muitos desistem no primeiro inverno, mas se você pelo menos parou para pensar, é porque ainda leva em conta a possibilidade de fazer alguma coisa e o esporte ainda tem alguma chance com você.

invernoO problema é quando qualquer atividade física, em todas as situações é carta fora do baralho em dias de frio. Um segredo: parar, pensar e descobrir qual é o melhor meio para não sofrer ou de sofrer menos com o frio? Eu, por exemplo,tenho uma intolerância grande com a possibilidade de nadar no inverno, mas também sei que a piscina é aquecida e lá o ambiente também é favorável. Depois de uns 100 metros, com umas braçadas mais vigorosas o corpo aquece e o frio acaba indo embora. Só assim consigo nadar, também no inverno. O problema é que a maioria já sai de casa derrotada. Só de pensar na possibilidade de ficar apenas de sunga naquele dia de muito a frio, a piscina passa a ser coisa de maluco, fora de questão. As vezes, com um pouco de boa vontade, faz isso uma, duas, três vezes, mas lá na frente acaba desistindo. Um dos segredos está em fazer o caminho inverso. Primeiro, antes de se entregar para a derrota, procure lembrar que depois do exercício feito, a sensação é de missão cumprida e isso não tem preço. Mais: lá, em quase todas as academias, o frio não é como aqui fora. O ambiente é climatizado e muito favorável.

O cuidado seguinte é com a saída da Piscina, a caminho até o vestiário. Conheço um senhor que nada no mesmo horário que o meu. Deve ter uns 70 anos, nascido no nordeste e por isso pouco familiarizado com o frio, mas encara a piscina nesta época. O espaço que serve de caminho entre a piscina e o vestiário, ele chama de o “corredor da pneumonia”. Não se constranja, faça como ele, além da tolha que serve para tirar o excesso de água, logo na saída da piscina, ele ainda se protege com um roupão bem felpudo. Ainda assim, sai reclamando, mas foge da pneumonia e certamente sofre bem menos que os outros.

Para os corredores, de rua é um pouco mais difícil, ainda assim algumas soluções que não resolvem, mas ajudam também podem diminuir o sofrimento. Para proteger os braços tem o manguito que pode ser encontrado principalmente em lojas de revenda de bicicleta. Para as pernas, tem as calças de corredores, produzidas com um tecido especial para aquecer e cortar o vento. O Manguito, a calça e mais uma blusa corta vento,quase todos com um material térmico, podem ser encontrados nestas lojas especializadas em material esportivo. Ainda existem os gorros que servem tanto para ciclistas como para corredores.

Enfim, o mercado de equipamentos e material para esporte se especializou e hoje não é possível dizer que você não pratica esporte porque o inverno de Curitiba não deixa.

O frio pode ser aliado se você levar em conta todas estas possibilidades. Não deixe que o frio te derrote, aliás o momento certo para começar é este, no frio, para aproveitar um condicionamento melhor no verão.Mas não esqueça: primeiro é necessário ganhar condicionamento físico, depois acostumar o organismo a uma modalidade esportiva. Na ordem, primeiro você precisa ganhar fôlego. Pulmão e coração precisam estar tinindo para trabalhar para o resto. Mais adiante, tendões e musculatura precisam aprender a nova tarefa. No frio, o organismo cansa menos por isso é a hora de começar. Mas não esqueça, no frio o aquecimento deve receber uma atenção especial. Dê uma chance ao esporte na sua vida!

NeymarAdeus, Neymar

Agora vai mesmo. Daqui pra frente só teremos notícias dos seus malabarismos com a bola. Antes de sair, fez o que a gente já previa, desencantando na seleção. Não só com gols bonitos, mas com um futebol cada vez mais solto. O futebol deste menino não é pra se intimidar com o peso da camisa da seleção e de clube nenhum. Nem quando lhe deram a 10, isso parece ter mexido negativamente com a cabeça dele. Pelo contrário, parece que era o que faltava. Também faltava definir o futuro dele. Definiu. Para sorte do futebol brasileiro, Neymar sai na hora certa. Não só correspondendo na Copa das Confederações, mas ganhando ritmo para a Copa do Mundo, ano que vem. Se ficasse no Santos, talvez não rendesse como vai render na escola européia, tendo o Barcelona como clube. Tudo se se encaminhou certo. Não que o Santos não sirva para ele, mas o assédio dos grandes clubes estava maltratando a cabeça do rapaz. Um predestinado,alás, o único símbolo do verdadeiro futebol brasileiro: moleque, habilidoso, alegre e graças ao futebol, aos 21 anos, está milionário.

* Sergio Brandão jornalista há 30 anos, trabalhou em várias áreas da profissão, tendo se especializado em comunicação para televisão desde 1983. Hoje é jornalista frela.  Trocou a vida sedentária e seus quase 90 quilos em 2000, pelo esporte. Quase 13 anos depois, acumula em seu currículo dezenas provas de triathon, duathlon, 12 maratonas e inúmeras corridas de rua.