Por Luiz Henrique de Oliveira e Juliano Cunha

Uma assembleia na noite desta segunda-feira (24) na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP Sindicato), em Curitiba, definiu os novos rumos das manifestações na capital paranaense. Foi marcada, inclusive, uma nova passeata pelas ruas de Curitiba para o próximo sábado (29), com saída a partir das 10h, na Boca Maldita.

REUNIÃO

Assembleia reuniu mais de 200 pessoas (Foto: Juliano Cunha/Banda B)

Participaram da reunião representantes de mais de 60 sindicatos, movimentos sociais e coletivos estudantis. O ato do final de semana será unificado e levará às ruas as reivindicações dos paranaenses, conforme destacou André Machado, um dos organizadores do evento.

“Queremos nos organizar para que as mudanças sejam apresentadas de maneira concreta. Hoje discutimos as pautas para que possamos levá-las às ruas no próximo sábado em um grande ato. Todos estão convidados. Queremos e vamos lotar as ruas de Curitiba, de maneira pacífica e ordeira”, disse.

Para Machado, uma organização mais detalhada do evento é necessária para que não aconteçam atos de vandalismo como os registrados na última sexta-feira na região do Centro Cívico. “Somos contra a repressão policial e o ato de uma minoria que destruiu o patrimônio público. Por isso, estamos fazendo esta reunião e nos organizando de uma maneira mais efetiva”, destacou.

Por fim, o organizador da manifestação não deu detalhes sobre ela, mas destacou que a intenção é marchar pelas ruas de Curitiba. “Ainda não temos o trajeto, mas sairemos para mostrar nossas reivindicações por um país melhor”, concluiu.

Outra reunião

Também na noite de ontem, cerca de 150 jovens da Frente de Luta pelo Transporte de Curitiba se reuniram na Praça Oswaldo Cruz, no Centro, para definir os rumos da manifestação. Em sua maioria, os participantes da assembleia eram estudantes e um novo encontro está marcado para a tarde de hoje, na reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR), onde deverá ser definido um novo ato em Curitiba, que pode acontecer já nesta quinta-feira (27).

Racha

O que ficou evidente é que um movimento busca fortalecer sindicatos e entidades e outro quer a população no debate, deixando clara a existência de duas frentes paras as manifestações na capital paranaense.