Os vigilantes do Paraná decidiram em assembleia realizada na noite desta quarta-feira (23) que vão parar as atividades por tempo indeterminado a partir do dia 1º de fevereiro. De acordo com João Soares, presidente do Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e Região, com a paralisação as agências bancárias não vão abrir. “Não vai haver atendimento e a greve é por tempo indeterminado”.

Os trabalhadores reivindicam um adicional de periculosidade de 30% no salário, assegurado pela Lei Federal 12.740, sancionada no fim do ano passado, que ainda não é paga pelos patrões. No dia 31 deste mês, a categoria volta a se reunir na tentativa de agregar mais vigilantes à paralisação.

“A classe patronal não se mostra interessada em atender as nossas reivindicações e a classe vai aderir à greve. Os vigilantes de bancos são 40% dos 26 mil e as agências vão ter que fechar se não houver uma solução, já que existe uma lei federal que determina que para abrir uma agência bancária devem ter pelo menos dois vigilantes”, explicou Soares.