O secretário de Segurança Pública Cid Vasques garantiu à imprensa nesta quarta-feira (20), no Palácio das Araucárias, no bairro Centro Cívico, em Curitiba, que não há qualquer evidência de ações de facções criminosas, como o Primeiro Comando da Capital (PCC), dentro do Paraná. Vasques também negou que a transferência dos 38 presos que aconteceu na manhã de hoje tem relação com as mortes de dois agentes penitenciários que aconteceram nos últimos dias em Curitiba.

“A transferência não tem nada haver com morte dos agentes e era uma ação planejada há 15 dias para dar uma aliviada no sistema penitenciário. É preciso separar o que é vandalismo, como nos casos dos ônibus queimados em Pinhais e no interior, e o que é ação de facção criminosa. Por enquanto, não existem sinais destas ações no Paraná”, garantiu.

Os presos transferidos hoje embarcaram no Aeroporto Afonso Pena em dois aviões da Força Aérea Brasileira. Enquanto 18 foram transferidos para Porto Velho, em Rondônia, outros 20 foram para Mossoró, Rio Grande do Norte.