Da AEN

São João e Salto do Lontra, no Sudoeste do Paraná, decretaram nesta segunda-feira (13) situação de emergência por causa das chuvas e vendavais ocorridos sexta-feira e durante o fim de semana. A expectativa é que mais municípios decretem emergência nas próximas horas, de forma a agilizar a ajuda do Governo Estadual e do Governo Federal. Trinta e oito municípios foram atingidos. Além de São João e Salto do Lontra, também Corbélia, Prudentópolis e Coronel Vivida registraram situação mais grave.

estado-emergencia-23092013

Foto: AEN

Antes mesmo que as prefeituras tivessem providenciado o decreto de emergência, o governo estadual enviou 400 bobinas de lona e 28 mil telhas para cobertura das casas danificadas pelo vendaval. “Essa foi a primeira ajuda emergencial, outros itens serão enviados assim que os municípios apresentarem o levantamento da destruição e pudermos quantificar o apoio”, explicou o tenente coronel Edemilson Barros, chefe operacional da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil, ao apresentar o mais recente balanço da situação no Estado.

Conforme o balanço, os 38 municípios atingidos são do Sul e Sudoeste e Oeste, além da região de Londrina, no Norte do Estado. Mais de 48,3 mil pessoas foram afetadas com perdas materiais; 2.450 estão desalojadas (estão em casas de parentes ou amigos). Há 18 desabrigados (estão em locais comunitários). Trinta e oito pessoas ficaram feridas, a maioria por causa de queda ao tentar improvisar cobertura para a residência. Há 10.140 casas danificadas, a maioria com destelhamento provocado pelo vento forte e granizo.

“Esse não é o balanço definitivo. As informações são atualizadas constantemente, pela internet. Já temos todos os itens de ajuda humanitária em registro e, à medida que os municípios informarem os prejuízos teremos condições de atender com rapidez”, afirmou o coronel Barros.

Os municípios, com apoio do Corpo de Bombeiros (que integram a Defesa Civil Regional), fazem o levantamento da destruição e decretam a situação de emergência. O documento é enviado ao governo federal e homologado pelo governador Beto Richa. “Todo o processo de trâmite é on-line, rápido e dinâmico”, explicou o coronel.

CORBÉLIA – O município da região Oeste foi um dos mais afetado pelas chuvas e vendaval e a primeira a receber o apoio da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil. Já na sexta-feira foram distribuídos lonas, colchões e alimentos. O trabalho emergencial garantiu menos prejuízos e mais segurança à população afetada. A cidade, com 17 mil habitantes, teve 80% das residências danificadas.

O governador Beto Richa esteve em Corbélia domingo. “Tão logo a Defesa Civil foi acionada nossas equipes deram pronto atendimento”, disse Richa.

“Perdi bastante coisa, como colchão e sofá. Só não perdi mais porque a ajuda foi rápida”, contou Maria Leonilda dos Santos, de 49 anos. A cobertura da casa de Maria foi danificada pela chuva de granizo que caiu na sexta-feira. A Defesa Civil auxiliou na colocação das lonas e, no domingo (22), transferiu a dona de casa para o abrigo improvisado no Centro de Eventos Leonel Brizola. “Só tenho a agradecer a Deus e a eles pela ajuda.”

Nair Bales dos Santos, de 60 anos, vive há mais de 40 anos no município e disse que nunca viu nada parecido. “Eu estava sozinha em casa e foi alagando tudo”, contou Nair. “Na correria, passei mal e o pessoal da Defesa Civil me levou até o hospital”. Nair e a filha Jozélia também estão no abrigo temporário até que a casa onde moram seja liberada.

Vitória Pereira de Oliveira, de 61 anos, mora com o marido e os três netos no bairro Paraná. Ela conta que não precisou sair de casa graças à ajuda da Defesa Civil. “Se não fosse eles nos ajudar não tinha nem lugar pra dormir hoje”, disse. A casa foi vistoriada e a família não precisou se mudar para o abrigo. Vitória espera agora pela chegada das novas telhas.

“Estamos providenciando os documentos necessários para que as famílias recebam telhas e outras ajudas”, informou o supervisor do Bombeiro Comunitário, sargento Jorge Iglikoski. A demanda do município, segundo ele, é de 220 mil telhas de cimento e 75 mil de barro, que devem ser enviadas pela coordenadoria estadual do órgão nos próximos dias.

Outro problema decorrente da chuva em Corbélia são os acidentes. Vinte e três pessoas foram hospitalizadas por cair do telhado de casa ao tentar trocar telhas ou colocar lonas. Quinze estão alojadas no Centro de Eventos.

TRABALHO CONJUNTO – Cerca de 25 homens trabalham na cidade, entre bombeiros e voluntários da prefeitura e de outras cidades. “Não só da Defesa Civil, mas tivemos a ajuda de muitos voluntários. A solidariedade veio somar neste momento difícil”, afirmou a prefeita em exercício, Welita Ceriolli Bombarda.

“O trabalho da Defesa Civil é essencial e essa integração foi primordial. Foi uma ação muito rápida, um trabalho integrado e demonstrou principalmente a solidariedade do povo”, ressaltou o secretário municipal de Ação Social, Ricardo Sedlacek.

AJUDA – A principal demanda das famílias são por produtos de higiene pessoal, colchões e alimentos. As doações devem ser encaminhadas para o Posto do Bombeiro Comunitário de Corbélia, na Avenida Brasil, s/nº, ao lado do Centro de Eventos Leonel Brizola.