Do Portal UOL

A assistente social suspeita de envolvimento na morte do garoto de 11 anos Bernardo Boldrini, em Frederico Westphalen (RS), disse à polícia gaúcha que recebeu R$ 6.000 da madrasta do menino pela participação no assassinato, de acordo com o jornal “Zero Hora”.

bernardo

(Foto: Reprodução Portal UOL)

Edelvânia Wirganovicz, que é amiga da madrasta do garoto, Graciele Ugulini, afirmou ainda que o pai, Leandro Boldrini, não sabia do homicídio. O jornal publicou trechos do depoimento da amiga à polícia, tomado na última segunda-feira (14), quando o crime foi descoberto e os suspeitos acabaram presos. Edelvânia, Leandro e Graciele estão detidos desde então.

De acordo com “Zero Hora”, Edelvânia afirmou à polícia que não sabe se Bernardo, 11, foi enterrado vivo e que a madrasta contou ao garoto, pouco antes da morte, que ele iria para uma consulta com uma “benzedeira”.

A polícia afirma que a assistente social confessou que o menino foi morto com uma injeção letal, mas isso ainda precisa ser confirmado por meio de uma perícia. A amiga, segundo o jornal, relatou que Graciele planejava a morte havia muito tempo e que a madrasta tentou matá-lo anteriormente com um travesseiro.

Para ler mais no Portal UOL clique aqui.